Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/08/2008 22:03

Supremo suspende ação penal contra ex-diretor da Previ

STF

O ministro Gilmar Mendes, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), suspendeu ação penal que tramita na 5ª Vara Federal no Rio de Janeiro contra o ex-diretor de Investimentos da Caixa de Previdência dos Funcionários do BB (Previ), Derci Alcântara. A decisão foi dada no dia 30 de julho, no período de recesso forense do Tribunal.

O Habeas Corpus (HC 95515) foi impetrado no Supremo pelo Banco do Brasil (BB) a fim de arquivar a ação penal ajuizada contra o ex-diretor, denunciado em 2001 por gestão fraudulenta (Lei 7.492/86), por conta de uma operação de aquisição de ações da Inepar pelo Fundo. De acordo com o Ministério Público, Alcântara teria participado ativamente de decisões em que a Previ concedeu empréstimos dissimulados à Inepar, na época da liquidação de parcelas referentes ao leilão da Telemar – hoje a empresa de telefonia “Oi”.

Concessão da liminar

De acordo com o ministro Gilmar Mendes, no caso concreto, a matéria não foi, de início, inteiramente apreciada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Por essa razão, “resta sem análise o argumento de atipicidade da conduta ante a conclusão final da Secretaria de Previdência Complementar, atestando a total legitimidade da conduta do paciente [Derci Alcântara] enquanto no exercício do cargo de Diretor”.

O presidente do STF informou que o recurso foi negado pelo STJ, e com base nessa decisão se conclui que o voto majoritário teve fundamento no entendimento de que o atestado de legalidade das operações, emitido pela Secretaria de Previdência Complementar e pela CVM, não retira do Ministério Público o direito de persecução penal.

“Porém, do exame dos autos resulta que a denúncia ministerial estaria baseada justamente nas primeiras conclusões tiradas pela Secretaria de Previdência Complementar, quando iniciado o procedimento de apuração, com isso atribuindo a prática delituosa ao paciente, não obstante, em decisão final, a mesma Secretaria tenha concluído pela total licitude das condutas, ao examinar esclarecimentos prestados pela PREVI a respeito”, ressaltou o ministro Gilmar Mendes.

Assim, Mendes considerou plausível o argumento de falta de justa causa para a ação penal contra Derci Alcântara. O ministro deferiu a liminar, determinando a suspensão do processo com relação ao ex-diretor até o julgamento final deste habeas corpus, “sem prejuízo de reexame da matéria pelo Relator sorteado”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)