Cassilândia, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/08/2004 08:27

Suposta vítima de incêndio aparece em seu velório

Jacqueline Lopes/Campo Grande News

Uma mulher de 37 anos, grávida, considerada morta pela família no incêndio que devastou o hipermercado de Assunção Ycuá Bolaños, em Assunção, no Paraguai, no domingo passado, saiu do hospital e voltou para a casa horas depois da tragédia, interrompendo o próprio velório e assustando parentes e vizinhos que rezavam por ela.
Segundo matéria publicada no Terra, a confusão foi motivada pela divulgação provisória da lista de mortos pela televisão, na qual Aguilera foi dada como vítima, só que, na verdade, ela estava em um hospital. Depois de ser medicada por alguma horas, Aguilera retornou à casa às 22h da noite de domingo, no momento em que a família chorava e rezava por sua alma, detalhou o jornal.
"Nunca pensei um dia na minha vida que iria assistir a meu próprio funeral", declarou a "ressucitada" Maria Esther Aguilera, sobrevivente do incêndio que destruiu o Yucá Bolaños, ao jornal Crônica. Aguilera contou que ao chegar a sua casa de Limpio, perto de Assunção, deparou com "200 pessoas rezando". "Minha mãe desmaiou quando me viu", comentou.
Desfeita a confusão, Maria Esther Aguilera, mãe de três filhos e grávida do quarto, recebeu a visita dos investigadores da tragédia, Edgar Sanchez e Teresa Sosa. "Eles me pediram os documentos para me retirar da lista dos falecidos", declarou. "Também me disseram que tenho que ir ao Registro Civil preencher um documento comprovando que estou viva", acrescentou.
Casos de confusão como esse estão se multiplicando na capital Assunção em função da grande quantidade de mortos, mais de 440. Parentes da vítima Carlos Ramon Aguero denunciaram que uma outra família pretendia exumar o corpo enterrado dias atrás, acreditando que houve um equívoco. Entre soluços, a filha de Carlos, Nancy Aguero, afirmou à televisão: "Estamos certos de que se trata de meu pai. Reconheci-o pela roupa, pela fisionomia"
O ministro paraguaio do Interior, Orlando Fiorotto, explicou que a desordem e o caos que se seguiram ao trágico incêndio complicavam o estabelecimento de um levantamento definitivo sobre o número de mortos, além de dificultar o registro de feridos e desaparecidos.



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)