Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

19/10/2016 06:45

Sul-mato-grossenses estão entre os que mais consomem contrabando

Campo Grande News

As fronteiras do país, em especial a localizada em Mato Grosso do Sul, continua sendo a principal rota do contrabando, e é no Centro-Oeste brasileiro que o consumo desses produtos se destaca. Enquanto a média nacional da população que admite o hábito de comprar produtos ilegais é de 26%, nesta região do país essa parcela ultrapassa os 35%, aponta pesquisa Datafolha. 

Eletrônicos, roupas, calçados, DVD’s de jogos e filmes e cigarros são os itens contrabandeados listados como preferência do consumidor do Centro-Oeste. Apenas o mercado ilegal de tabaco em Mato Grosso do Sul atingiu 54% de participação em 2015, crescimento de 20% em comparação a 2010.

A pesquisa revela ainda que 66% dos moradores de Mato Grosso do Sul, Goiás, Mato Grosso do e Distrito Federal sabem que o comércio dessas mercadorias ilegais, como o cigarro, favorece o crescimento da violência e da criminalidade. E metade dos entrevistados também acreditam que o governo federal é o principal responsável pela entrada de produtos contrabandeados no país

Consciente de que o contrabando de cigarros do Paraguai, principal produto contrabandeado, é quem abastece o caixa e financia as atividades das facções criminosas, como o PCC. E 64% dos entrevistas concordaram que a a redução de impostos sobre os cigarros fabricados no Brasil contribuiria para o combate ao crime organizado.

Para 86% dos participante da pesquisa, as altas taxas de impostos sobre produtos fabricados no Brasil favorecem o aumento de produtos contrabandeados no território nacional, principalmente advindo do Paraguai. Ciente dessa realidade, praticamente a totalidade dos brasileiros é a favor da revisão de impostos sobre os produtos legais para tornar o seu preço mais acessível e mais competitivo em relação aos ilegais.

Contrabando - Mato Grosso do Sul está localizado na faixa de fronteira com a Bolívia e o Paraguai, vem se configurando como um dos maiores corredores de distribuição de cigarros, eletrônicos, medicamentos, além de drogas e armas, que seguem para Goiás, Mato Grosso e Distrito Federal.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), os criminosos usam estradas vicinais para entrar com a carga ilegal no país. Os cigarros saem do Paraguai, e entram no brasil pelo município de Mundo Novo, localizado a 462 km de Campo Grande. Já no país, a carga é distribuída, principalmente, para os Estados do Paraná, Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso.

“O levantamento evidencia que o principal estímulo ao contrabando é a diferença entre o preço, resultado da vantagem financeira que os criminosos têm em função da disparidade tributária entre o Brasil e o Paraguai. Ou seja, é necessária maior fiscalização nas fronteiras do Centro-Oeste e revisão dos impostos sobre os produtos nacionais para que tenhamos plena legalidade do mercado interno e mais segurança”, pondera Edson Vismona, presidente do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial.

“A sociedade também está ciente da omissão do Governo Federal e de outras autoridades na entrada de produtos contrabandeados no Brasil e, consequentemente, do aumento da criminalidade, com o tráfico de drogas e de armas”, conclui Vismona.

Além da violência e o tráfico de drogas, o desemprego e a evasão fiscal também são rastros que o contrabando de produtos ilegais deixa por onde passa. Por ano, o Brasil perde cerca de R$ 115 bilhões com o comércio de mercadorias ilegais, montante suficiente para construir 974 hospitais, ou 57 mil creches ou ainda 22 mil escolas públicas.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)