Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

12/10/2015 09:00

Substâncias tóxicas podem se acumular em bebês através da amamentação

Portal APCD

Uma classe amplamente usada de produtos químicos industriais relacionados ao câncer e à interferência na função imunológica — as substâncias alquilato perfluoradas ou PFASs — parecem se acumular em bebês, de 20% a 30% por cada mês que eles são amamentados, de acordo com um novo estudo da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard. O estudo foi publicado nesta quinta-feira na “Environmental Science & Technology”, sendo o primeiro a mostrar a extensão na qual as PFASs são transferidos para bebês através do leite materno.

“Sabíamos que pequenas quantidades de PFASs podem ser passadas pelo leite materno, mas nossas análises de sangue agora mostram um acúmulo nas crianças”, disse Philippe Grandjean, professor adjunto de saúde ambiental.

Entenda: PFASs são usados para fazer produtos resistentes à água, graxa e manchas e estão em uso há mais de 60 anos em produtos como têxteis à prova de manchas, roupas à prova d'água, algumas embalagens de alimentos, tintas e lubrificantes. Estes compostos — que tendem à bioacumulação nas cadeias alimentares e podem persistir por um longo tempo no corpo — são encontrados regularmente no sangue dos animais e dos seres humanos em todo o mundo, e têm sido associados à toxicidade reprodutiva, desregulação endócrina, e disfunção do sistema imunológico.

Para os testes, os pesquisadores acompanharam 81 crianças que nasceram nas ilhas Faroé, entre 1997 e 2000, observando os níveis de cinco tipos de PFASs no sangue ao nascer e com idades entre 11 meses, 18 meses e 5 anos. Eles também analisaram níveis de PFASs nas mães das crianças na 32ª semana de gestação.

Eles descobriram que, em crianças que foram amamentadas exclusivamente, as concentrações PFASs no sangue aumentaram em cerca de 20% a 30% a cada mês, com aumentos mais baixos entre as crianças que foram parcialmente amamentadas. Em alguns casos, até o fim do aleitamento materno, níveis de concentração de PFASs no sangue das crianças superou o de suas mães.

Apenas um tipo de PFAS (perfluorohexanesulfonato) não aumentou com a amamentação. Depois que o aleitamento materno foi interrompido, as concentrações de todos os cinco tipos de PFASs diminuiram. Os resultados sugerem que o leite materno é uma importante fonte de exposição PFAS durante a infância.

“Não há nenhuma razão para desencorajar a amamentação, mas estamos preocupados que esses poluentes sejam transferidos para a próxima geração em uma idade muito vulnerável”, disse Grandjean.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)