Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

29/11/2017 09:40

Submarino sofreu explosão por hidrogênio, diz Argentina

Midiamax

A explosão que ocorreu no submarino militar argentino desaparecido no Atlântico Sul há quase duas semanas foi causada por um acúmulo de hidrogênio após um curto-circuito em suas baterias da proa, disse nesta terça-feira um porta-voz da Marinha da Argentina. 

O ARA San Juan e seus 44 tripulantes enviaram seu último sinal na quarta-feira, 15 de novembro, a 430 quilômetros da costa patagônica, apenas horas antes que fosse detectada na região uma suposta explosão submarina que foi identificada na semana passada. Muitos familiares deram como morta a tripulação.

"Interpretamos que essa explosão foi por conta de uma concentração de hidrogênio", disse Enrique Balbi, porta-voz da Marinha da Argentina, que explicou que as baterias elétricas do submarino geram constantemente este elemento químico, que deve ser expelido da embarcação por ser potencialmente explosivo.

Na segunda-feira, o porta-voz disse que em seus últimos contatos o ARA San Juan - que é intensamente procurado por uma ampla operação internacional - havia sofrido uma infiltração de água através de seu "snorkel", que alcançou as baterias, o que gerou um princípio de incêndio, que foi controlado.

As buscas pela embarcação se concentram em uma área circular de cerca de 4.070 quilômetros quadrados no Atlântico Sul, seguindo a pista da explosão detectada, em um grande esforço no qual participam dezenas de navios e aviões de diversos países, entre eles Estados Unidos, Reino Unido e Brasil.

"É a zona de maior probabilidade de ocorrência onde pode estar o submarino se estiver caído no fundo", disse Balbi, que acrescentou que más condições climáticas nesta região do oceano estavam dificultando o avanço da operação. Especialistas consideram que o submarino pode ter descido a 3 mil metros de profundidade caso tenha alcançado a zona de declive continental.

Apesar dos indícios de que o ARA San Juan - um submarino TR-1700 produzido na Alemanha na década de 1980 - teve um final trágico, alguns familiares dos tripulantes seguem se agarrando à esperança.

"Estamos todos juntos e unidos para nos dar esperança e que estejamos fortes", disse Marta Vallejos, irmã do segundo sargento Celso Vallejos, que estava a bordo da embarcação desaparecida, na base naval do balneário Mar del Plata, onde o submarino deveria ter chegado há mais de uma semana.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)