Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

26/06/2015 08:29

Subfertilidade feminina: o que é e como tratar

Portal Segs

Causas comuns de subfertilidade feminina incluem desordens na ovulação, doenças nas trompas, adesões peritoneais, endometriose, anormalidades no útero e ter mais de 35 anos. Como 10% dos casos de infertilidade se enquadram na determinação “sem causa aparente”, é importante que sejam analisados dados disponíveis sobre a paciente e os tratamentos por que passou anteriormente para que seja possível traçar um novo perfil de tratamento de fertilização assistida.

De acordo com Assumpto Iaconelli Junior, diretor do Fertility Medical Group, a indução da ovulação, por exemplo, é bem-sucedida em muitos casos, menos quando a paciente sofre de falência ovariana. Já a cirurgia é uma opção para pacientes com danos nas trompas, aderências, endometriose e anormalidades uterinas. Quando a infertilidade está relacionada à idade – inclusive quando outros tratamentos não foram bem-sucedidos – a doação de óvulos se mostra o método mais eficaz disponível até agora. “Casais com infertilidade sem causa aparente podem ser tratados de forma eficiente com indução da ovulação mais inseminação intrauterina ou fertilização in vitro”.

O especialista afirma que, isoladamente, a endometriose afeta entre 10% e 15% das mulheres em idade reprodutiva (25 a 35 anos). Trata-se da presença de tecido endometrial fora do útero, podendo se localizar na pelve ou em qualquer outra parte do corpo, além de induzir uma reação inflamatória crônica e muito dolorida. Considerada doença imunológica, a doença é um dos principais motivos da subfertilidade. “Os mecanismos que explicam a infertilidade em pacientes com endometriose dependem da fase em que a doença se encontra. Quando mínima ou leve, a endometriose pode prejudicar a função ovariana, peritoneal, tubas uterinas e endométrio, levando a uma fertilização ou implantação defeituosas”.

Já as formas mais graves da doença podem provocar infertilidade ou redução nas taxas de gravidez. “Vale ressaltar que, mesmo que as dores sejam muito intensas, não quer dizer que a infertilidade seja mais grave. Paralelamente aos sinais, sintomas e achados no exame clínico, o padrão-ouro no diagnóstico da endometriose é a videolaparoscopia. Além de promover uma avaliação minuciosa das mais variadas lesões, aderências e teste de permeabilidade tubária, nos permite estadiar a doença, fazer biópsia de lesões e tratá-las cirurgicamente”, diz o médico. “É importante afirmar que a fertilização in vitro é a primeira opção para pacientes com endometriose moderada ou grave que queiram engravidar”.

A idade da paciente é outro fator muito importante. Iaconelli explica que os óvulos envelhecem e a reserva ovariana vai diminuindo rapidamente depois dos 30 ou 35 anos. Daí a importância de, além de não adiar muito os planos de gravidez, a paciente buscar ajuda especializada para avaliar bem sua reserva ovariana, principalmente quando fatores hereditários apontam para a menopausa precoce. “A identificação de pacientes com reserva ovariana reduzida permite individualizar e fazer melhor escolha do protocolo de tratamento. Atualmente, a dosagem do hormônio antimulleriano (AMH) tem se mostrado o melhor fator isolado para analisar a reserva ovariana. Além da idade da paciente, vale ressaltar que outros parâmetros devem ser levados em conta, como a dosagem do hormônio folículo estimulante (FSH), entre outros. Por fim, vale dizer que alguns fatores externos contribuem muito para o declínio da fertilidade, como o fumo, o uso de drogas recreativas e álcool em excesso.”

Por fim, Iaconelli afirma que, em casos raros, algumas mulheres desenvolvem alergia às proteínas presentes no sêmen do parceiro. Sendo assim, a ejaculação durante o ato sexual se transforma numa experiência ruim, provocando vermelhidão, ardência e inchaço. “Nada que o uso de preservativos não consiga resolver. Por outro lado, trata-se de um problema de grandes proporções para quem deseja ter um bebê. Quando há sensibilidade aumentada e a reação alérgica é severa, a inseminação intrauterina pode ser eficiente. Mas, para dar certo, é importante que a maior parte das proteínas presentes no sêmen sejam eliminadas antes do procedimento”.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)