Cassilândia, Segunda-feira, 26 de Junho de 2017

Últimas Notícias

17/06/2008 21:15

STJ nega liminar e mantém Bejani preso

STJ

O ministro Napoleão Nunes Maia Filho, da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), acaba de indeferir o pedido de liberdade de Carlos Alberto Bejani, ex-prefeito de Juiz de Fora, preso em decorrência das investigações da Polícia Federal durante a Operação De Volta para Pasárgada.

O decreto de prisão partiu da Justiça Federal da 1ª Região diante das acusações de envolvimento em um esquema da fraude do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). O ex-chefe do Executivo de Juiz de Fora responde pelas acusações de ameaça, formação de quadrilha ou bando, falsidade ideológica, peculato, concussão, corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa, fraude em licitação e lavagem de dinheiro.

Ao tentar obter a liberdade de Bejani, a defesa alega, entre outras coisas, que as provas contra ele foram obtidas por meio ilícito, tendo em vista que a ordem foi expedida por autoridade incompetente. Isso porque – alega – os crimes dos quais é acusado não são da competência da Justiça Federal, mas da estadual.

Ao apreciar o pedido de liminar, o relator do habeas-corpus, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, entendeu que não estão evidentes as alegações oferecidas pela defesa do ex-prefeito. Para ele, o decreto está bem fundamentado e os motivos para a prisão não se mostram insuficientes. Pelo contrário, entende o ministro, há indícios fortíssimos de autoria das condutas ilícitas diante grande quantidade de provas obtidas.

O ministro também destacou que a existência de atos contra a integridade física de um dos integrantes da suposta quadrilha que resolveu colaborar nas investigações justifica a prisão preventiva para garantir a ordem pública e assegurar a instrução criminal.

“A preservação da ordem pública é suficiente para a segregação cautelar e abrange também a promoção daquelas providências de resguardo à integridade das instituições, à sua credibilidade social e ao aumento da confiança da população nos mecanismos oficiais de repressão às diversas formas de ofensa a bens jurídicos relevantes à sociedade, especialmente quando eventual atividade criminosa atinge diretamente o patrimônio público e, por extensão, toda a coletividade”, conclui Napoleão Nunes Maia Filho.

O processo segue agora para o Ministério Público Federal (MPF) para que seja redigido parecer. Somente após seu retorno ao STJ, o mérito do pedido será apreciado pela Quinta Turma. Ainda não há data para o julgamento.


Coordenadoria de Editoria e Imprensa


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 26 de Junho de 2017
Domingo, 25 de Junho de 2017
15:50
Cassilândia
Sábado, 24 de Junho de 2017
23:07
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)