Cassilândia, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

01/06/2006 18:53

STJ nega habeas-corpus a médico acusado de morte

STJ

O médico paulista Farah Jorge Farah, acusado de esquartejar a ex-amante Maria do Carmo Alves, permanecerá preso em regime fechado até seu julgamento pelo Tribunal do Júri. Por unanimidade, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou pedido de habeas-corpus em favor do médico, que pretendia aguardar o julgamento em liberdade. O mérito do habeas-corpus, que já havia sido negado liminarmente pelo STJ, foi relatado pelo ministro Gilson Dipp.

Seguindo o voto do ministro relator, a Turma entendeu que a prisão preventiva de Farah Jorge Farah, preso cautelarmente há 3 anos e 4 meses, está fundamentada no artigo 312 da Lei Processual Penal e que, pelo modus operandi do suposto crime por ele cometido, não existe razão para que o acusado aguarde o julgamento em liberdade.

No pedido de habeas-corpus, a defesa sustentou que há falta de fundamentação na ordem de prisão, de motivos para justificar a necessidade da custódia cautelar e ocorre ilegalidade na decretação da prisão preventiva com base apenas na gravidade em abstrato do crime de que é acusado. Reclamou também do excesso de prazo na formação da culpa, já que o acusado encontra-se preso há mais de três anos, sem julgamento.

Em seu voto, o ministro Gilson Dipp reconheceu que a jurisprudência atual do STJ e do Supremo Tribunal Federal ressalta que a fundamentação restrita à gravidade genérica do delito, ao clamor público, à comoção social ou à natureza do ilícito, sem a descrição de circunstâncias concretas distintas da própria empreitada criminosa, enseja a revogação da prisão preventiva. "Todavia, em casos como o dos autos, em que o modus operandi se sobressalta pela forma fria, cruel e insidiosa como supostamente foi cometido o crime pelo agente, cujo modo de proceder em muito se distancia de outros comportamentos capazes de atingir o mesmo fim, a jurisprudência tem entendido pela manutenção da custódia cautelar", ressaltou o relator

Com base nos autos, o ministro transcreveu em seu voto como aconteceu a suposta prática criminosa e narrou que o paciente, valendo-se de seus conhecimentos médicos e usando instrumentos próprios para cirurgia, teria, em tese, provocado a morte de Maria do Carmo Alves, mediante esquartejamento e retalhação, tendo supostamente separado a cabeça e parte dos membros do corpo e removido tecidos das regiões palmares e plantares, bem como órgãos internos e vísceras.

Em seguida, o acusado teria procedido à limpeza do local e ao acondicionamento do cadáver em sacos próprios para lixo, colocando-os no porta-malas de seu automóvel. "Considerando o contexto descrito, o modus operandi da eventual prática delituosa empreendida, em tese, pelo paciente obsta a revogação da segregação cautelar para a garantia da ordem pública", assinalou em seu voto.

Quanto ao excesso de prazo na prisão do réu alegado pela defesa, o ministro Gilson Dipp sustentou que, verificada a interposição de recursos somente pela defesa, capazes de suspender a sessão plenária do Júri e, no caso, foram seis recursos, não se pode admitir o argumento de excesso de prazo para a soltura do paciente. "Não se pode, assim, acolher a alegação dos impetrantes no sentido de que a defesa em nada contribui para a delonga do encarceramento do acusado, sob pena de se formar a praxe de interposição ilimitada de recursos com o intuito de alcançar a expedição de alvará de soltura por excesso de prazo."

Autoria de Maurício Cardoso

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)