Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

11/03/2005 09:20

STJ: MP é ilegítimo para ação sobre tributo

STJ

O Ministério Público (MP) do Estado do Rio de Janeiro não poderia ter movido ação civil pública em face do município de Macaé, com o objetivo de proibir a cobrança das taxas de coleta e remoção de lixo domiciliar, de serviço de esgoto e de expansão, melhoria e manutenção de rede de iluminação pública, com a aquisição de acessórios destinados ao setor. A Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) acompanhou a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal (STF), segundo o voto do ministro Teori Albino Zavascki.

Para o STF, o MP é ilegítimo para ajuizar ação civil pública questionando a exigibilidade de tributo. A posição é anterior à Medida Provisória 2.180 de 2001. Esta MP introduziu parágrafo único no artigo primeiro da Lei nº 7.347, de 1985, que disciplina a ação civil pública de responsabilidade por danos causados, por exemplo, ao meio ambiente, ao consumidor, a bens e direitos de valor artístico e histórico, entre outros.

Diz o parágrafo: "Não será cabível ação civil pública para veicular pretensões que envolvam tributos, contribuições previdenciárias, o FGTS ou outros fundos de natureza institucional cujos beneficiários podem ser individualmente determinados."

Na ação civil pública, o MP também pediu que o município fosse condenado a restituir as parcelas relativas às cobranças efetuadas a partir da propositura da ação. As parcelas, a serem apuradas em liquidação de sentença, deveriam estar devidamente corrigidas. O juiz de primeiro grau vedou a cobrança da taxa para expansão, melhoria e manutenção de rede e acessórios destinados à iluminação pública e determinou a restituição dos valores pagos por esse título.

O Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ), por sua vez, declarou, de ofício, a ilegitimidade do Ministério Público e extinguiu o processo. Em seguida, o MP recorreu ao STJ. Sustentou divergência jurisprudencial e violação de artigos do Código de Defesa do Consumidor (CDC) e da Lei nº 7.347/85. Defendeu sua legitimidade, de acordo com o CDC, para propor ação civil pública objetivando a tutela de direitos individuais homogêneos.

De acordo com o MP, não se pode "excluir a possibilidade de o Ministério Público propor ação coletiva em defesa de direitos individuais homogêneos sob o falso argumento de que a proteção ao direito patrimonial disponível não pode ser de interesse social, isto porque os direitos individuais homogêneos, globalmente considerados, são indisponíveis pela comunidade de vítimas".

No STJ, inicialmente o relator, ministro Francisco Falcão, negou seguimento ao recurso. Indicou julgados da própria Corte Superior em que se decidiu pela impossibilidade de ajuizamento de ação civil pública pelo MP para impedir a cobrança de tributos, por não se tratar de relação de consumo, mas, sim, de relação tributária.

O Ministério Público, contudo, entrou com novo recurso, e o relator reconsiderou sua decisão, levando esse novo entendimento à Primeira Turma. Seu voto foi favorável à legitimidade do MP para as ações civis públicas visando obstar a exigência de tributos ajuizados antes da edição da MP 2.180/2001. Pediu vista o ministro Teori Albino Zavascki, que votou pela ilegitimidade do MP, no que foi seguido por unanimidade na Turma, com a reconsideração do voto do relator.

Ana Cristina Vilela

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)