Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

27/09/2006 16:21

STJ mantém anulação de concurso público no Paraná

STJ

Está mantida a decisão que anulou, por irregularidades, o concurso público nº 01/2005 realizado pela Câmara Municipal de Vereadores de Laranjeiras do Sul, no Paraná. O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, negou pedido da Câmara Municipal para suspender a decisão.

O pedido de anulação do concurso foi feito por Flamarion Zacchi em mandado de segurança contra o presidente da Câmara de Vereadores. Em primeira instância, o juiz de Direito julgou procedente o pedido e concedeu a segurança para que o concurso fosse declarado nulo. Insatisfeita, a Câmara de Vereadores entrou no Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná requerendo a suspensão da execução da sentença.

O TJ indeferiu o pedido. “Não é possível concluir que a execução da sentença possa comprometer a regularidade da prestação do serviço público pelo fato de ter que demitir os servidores aprovados no concurso público quando eivado de irregularidades”, afirmou o presidente do Tribunal de Justiça. A Câmara, então, recorreu ao STJ.

Na suspensão de segurança dirigida ao STJ, a entidade afirmou que a licitação foi absolutamente regular, tendo o Tribunal de Contas, inclusive, ratificado as nomeações dos candidatos aprovados. A defesa apontou, ainda, risco de grave lesão à ordem pública, pois a demissão dos candidatos aprovados, já nomeados e empossados nos respectivos cargos iria comprometer a realização de todas as atividades do órgão. Alegou, ainda, perigo de dano à economia, pois a demissão dos servidores implicaria a realização de novo concurso.

O pedido de suspensão foi negado. “Não se admite, na via excepcional da suspensão, discussão sobre o mérito da controvérsia, eis que não se trata de instância recursal, devendo os argumentos que não infirmem a ocorrência de grave lesão à ordem, à economia, à saúde e à segurança públicas ser analisadas nas vias recursais ordinárias”, observou o presidente, ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, ao justificar a negativa.

Para o presidente, a argumentação da requerente de que a Câmara possui hoje somente os servidores provenientes do concurso declarado nulo não justifica a manutenção de situação irregular. “Não pode servir de supedâneo a chancelar a situação irregular que se instalou com a realização” do certame, concluiu.


Autor(a): Rosângela Maria

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)