Cassilândia, Quarta-feira, 28 de Junho de 2017

Últimas Notícias

27/09/2006 16:21

STJ mantém anulação de concurso público no Paraná

STJ

Está mantida a decisão que anulou, por irregularidades, o concurso público nº 01/2005 realizado pela Câmara Municipal de Vereadores de Laranjeiras do Sul, no Paraná. O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, negou pedido da Câmara Municipal para suspender a decisão.

O pedido de anulação do concurso foi feito por Flamarion Zacchi em mandado de segurança contra o presidente da Câmara de Vereadores. Em primeira instância, o juiz de Direito julgou procedente o pedido e concedeu a segurança para que o concurso fosse declarado nulo. Insatisfeita, a Câmara de Vereadores entrou no Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná requerendo a suspensão da execução da sentença.

O TJ indeferiu o pedido. “Não é possível concluir que a execução da sentença possa comprometer a regularidade da prestação do serviço público pelo fato de ter que demitir os servidores aprovados no concurso público quando eivado de irregularidades”, afirmou o presidente do Tribunal de Justiça. A Câmara, então, recorreu ao STJ.

Na suspensão de segurança dirigida ao STJ, a entidade afirmou que a licitação foi absolutamente regular, tendo o Tribunal de Contas, inclusive, ratificado as nomeações dos candidatos aprovados. A defesa apontou, ainda, risco de grave lesão à ordem pública, pois a demissão dos candidatos aprovados, já nomeados e empossados nos respectivos cargos iria comprometer a realização de todas as atividades do órgão. Alegou, ainda, perigo de dano à economia, pois a demissão dos servidores implicaria a realização de novo concurso.

O pedido de suspensão foi negado. “Não se admite, na via excepcional da suspensão, discussão sobre o mérito da controvérsia, eis que não se trata de instância recursal, devendo os argumentos que não infirmem a ocorrência de grave lesão à ordem, à economia, à saúde e à segurança públicas ser analisadas nas vias recursais ordinárias”, observou o presidente, ministro Raphael de Barros Monteiro Filho, ao justificar a negativa.

Para o presidente, a argumentação da requerente de que a Câmara possui hoje somente os servidores provenientes do concurso declarado nulo não justifica a manutenção de situação irregular. “Não pode servir de supedâneo a chancelar a situação irregular que se instalou com a realização” do certame, concluiu.


Autor(a): Rosângela Maria

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 27 de Junho de 2017
Segunda, 26 de Junho de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)