Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

14/12/2006 19:10

STF:TJ/MS vai julgar HC de índios acusados de homicídio

STF

O ministro Eros Grau, do Supremo Tribunal Federal, decidiu que não cabe ao STF julgar o Habeas Corpus (HC) 90233, impetrado em favor de nove índios, presos pela acusação de homicídio. O ministro determinou a remessa dos autos para o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS).

O HC contesta decisão da 1ª Vara Criminal de Dourados (MS), que decretou a prisão preventiva dos réus, membros da Comunidade Indígena de Passo Piraju. Os índios são acusados do assassinato de dois policiais civis e de ferimentos em um terceiro. A defesa está sendo feita pela Procuradoria Federal Especializada da Fundação Nacional do Índio (Funai).

Segundo os autos, em 1º de abril de 2006 os policiais foram confundidos com fazendeiros e capangas, confronto que resultou nas mortes. A defesa diz que os índios são todos primários e de bons antecedentes e que os assassinatos foram resultado de uma antiga disputa de terras, que gerou permanentes conflitos e agressões por parte de fazendeiros da região.

O processo registra depoimentos favoráveis aos acusados, dados por membros do Ministério Público e da Funai, com notícias de ameaças, atropelamento e intoxicação provocada por explosão em uma escola da aldeia.

Ao ser decretada a prisão preventiva dos acusados, após o indiciamento, a defesa impetrou habeas corpus junto ao TJ-MS, que foi negado. Foi protocolado então um novo recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ), também indeferido, o que gerou o HC no STF.

No pedido, a defesa requer a expedição de alvará de soltura para os índios. Pede, ainda, a anulação do processo, por violação da norma constitucional de presunção de inocência e pelo excesso de prazo na prisão dos réus, sem que seja encerrada a fase de instrução do processo. Finalmente, como alternativa, pede que os acusados sejam colocados sob a responsabilidade do Chefe do Núcleo de Apoio da Funai.

Ao devolver os autos ao TJ-MS, o ministro Eros Grau diz que a decisão se baseou no artigo 102, “d” e “i” da Constituição Federal (cabe ao STF julgar habeas corpus, quando o coator for Tribunal Superior ou quando o coator ou o paciente for autoridade ou funcionário cujos atos estejam sujeitos diretamente à jurisdição do Supremo Tribunal Federal).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)