Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

15/09/2016 19:21

STF julga validade de ações que obrigam fornecimento de remédios de alto custo

André Richter – Repórter da Agência Brasil

 

O Supremo Tribunal Federal (STF) começou a julgar hoje (15) a validade de decisões judiciais que determinam o fornecimento de medicamentos de alto custo e que não têm registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). O caso é considerado pelos ministros como o mais complexo que tramita atualmente no Supremo.

Brasília - O ministro Marco Aurélio Mello participa de sessão plenária do Supremo Tribunal Federal, para julgar vários processos (Antonio Cruz/Agência Brasil)
O ministro Marco Aurélio Mello, relator do processo, defendeu o direito de os pacientes receberem remédios de alto custoAntonio Cruz/Agência Brasil
Único a votar na sessão, o ministro Marco Aurélio, relator das duas ações em que as questões são discutidas, defendeu o direito de os pacientes receberem remédios de alto custo, no entanto, os medicamentos, segundo ele, devem ter registro na Anvisa.

Para o ministro, o fornecimento depende da comprovação de necessidade do remédio e da incapacidade do paciente de pagar pelo fármaco.

Após o voto do relator, o ministro Luís Roberto Barroso pediu vista das ações. O julgamento deve ser retomado em duas semanas.

Gracie Mendonça

No Supremo, a advogada-geral da União (AGU), Gracie Mendonça, disse que o Ministério da Saúde segue os parâmetros da política nacional de assistência farmacêutica para entrega de remédios à população e que o sistema é atualizado periodicamente. Segundo Gracie, as decisões judicais que determinam a entrega medicamentos sem registro na Anvisa têm impactos nas políticas públicas do ministério.

De acordo com os dados apresentados durante o julgamento, a União já gastou R$ 1,6 bi para cumprir decisões judiciais que determinam o custeio de tratamentos de saúde. A advogada da União sustentou que o direito à saúde é de todos, mas os recursos do Estado são limitados, porque são pagos pelos indivíduos.

"O número de decisões judiciais produz impacto direto. Primeiro, na política nacional de medicamentos, segundo, na política de assistência farmacêutica, terceiro, na programação financeira do Estado. Na verdade, toda essa situação, em termos de judicialização, tem tornado o sistema efetivamente insustentável. E os dados atestam exatamente isso, o sistema não se sustenta dessa forma", disse.

Edição: Fábio Massalli

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)