Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

24/08/2007 20:26

STF declara aceita denúncia de lavagem de dinheiro

STF

O Supremo Tribunal Federal (STF), por unanimidade de seus ministros, declarou procedente a denúncia de lavagem de dinheiro supostamente cometida por Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano Paz, Rogério Tolentino, Simone Vasconcelos e Geiza Dias, participantes do chamado núcleo publicitário, bem como dos componentes do núcleo financeiro, composto por José Roberto Salgado, Ayana Tenório, Vinícius Samarane e Kátia Rabelo, dirigentes do banco Rural.

Indiciamento do núcleo publicitário

De acordo com o relator do Inquérito do mensalão (INQ 2245), ministro Joaquim Barbosa, o procurador-geral atribui a todos eles os crimes constantes do artigo 1º, incisos V, VI e VII, da Lei 9.613/98. Em relação ao núcleo publicitário, laudo pericial contábil indicou a emissão, pelas empresas SMP&B e DNA Propaganda de notas fiscais falsas (vencidas, de acordo com a Secretaria da Fazenda) que simulavam a prestação de serviços para outras empresas.

Segundo consta dos autos, foram descobertos cheques superiores a R$ 10 mil não contabilizados na conta da DNA Propaganda totalizando R$ 4.552.677,00 no exercício de 2003. O exemplo mais gritante, segundo a denúncia, é uma nota fiscal/fatura, no valor de R$ 35 milhões em nome da Companhia Brasileira de Meios de Pagamento (CBMP), a chamada Visanet. Essa nota falsa entrou como receita de prestação de serviços. Para se ter noção da irregularidade, a receita bruta anual declarada pela empresa foi de R$ 22 milhões, valor inferior àquele nota fiscal.

Assim, o procurador-geral deduziu que a Demonstração de Resultados do Exercício (DRE) foi elaborado em desacordo com a escrituração. Peritos atestaram que o sistema contábil permitiu o uso de artifícios fraudulentos nas receitas e despesas dessas empresas. Duas escriturações, uma original e outra retificadora foram elaboradas no mesmo período em que os supostos ilícitos teriam sido praticados. Os valores referentes ao ativo total, em 31/12/2003 registrou na escrituração original R$ 5.884.000,00 e na retificadora R$ 53.204.539,00, ou seja, mais de R$ 47 milhões não declarados.

O ministro Joaquim Barbosa ressaltou que, nessas movimentações, ficou evidenciada a participação de Rogério Lanza Tolentino, já que foi evidenciada a participação da empresa Lanza Tolentino e Associados, da qual Marcos Valério participa, em repasses de recursos a parlamentares. São fortes os indícios de ocultação e movimentação de valores pelas empresa de Tolentino, declarou o ministro. Em uma dessas movimentações, Rogério Lanza Tolentino teria transferido R$ 3.460.000,00 à corretora Bônus-Banval, já descrita nos autos.

Como funcionava a lavagem

De acordo com a denúncia, a SMP&B e DNA Propaganda endossavam cheques a ela destinados, para terceiros, geralmente pessoas simples, que eram obrigadas a assinar recibos dos valores sacados, em dinheiro, na agência do Banco Rural junto à Assembléia Legislativa de Minas Gerais, em Belo Horizonte. No entanto, esses valores não transitavam na contabilidade das empresas de Marcos Valério, caracterizando a dissimulação e ocultação de vultosos valores que eram repassados a parlamentares.

Indiciamento do núcleo financeiro

De acordo com o voto de Joaquim Barbosa, os saques eram feitos em cheques nominais à SMP&B e à DNA Propaganda, mas o banco entregava a terceiros valores substanciais. Assim, para o relator, o Banco Rural tinha conhecimento de quem era o sacador e quem seria o beneficiário final, fato confirmado pelos e-mails enviados por Geiza Dias, informando ao banco quem receberia e a quem se destinavam as somas.

O banco foi denunciado pelo fato de dissimular valores, omitir ao Banco Central os destinatários finais dos saques, com o lançamento dos débitos na conta da SMP&B e DNA, fazendo crer que os valores seriam destinados a essas empresas. Segundo apurou-se no inquérito, o procedimento foi adotado em conluio entre o Banco Rural e Marcos Valério, quando João Cláudio Genu, assessor do deputado José Janene (PP), foi sacar valores destinados ao parlamentar.

O ministro citou reportagem de revista semanal de circulação nacional em que o ex-superintendente de compliance do Banco Rural Carlos Godinho demonstra que “toda a diretoria do banco continuou encenando a farsa dos empréstimos – e ninguém desconhecia que tudo era mesmo uma enorme farsa”, mesmo após a morte de José Augusto Dumont, quando Ayana Tenório o sucedeu. Para o banco, segundo o depoente, era interessante manter o esquema em troca de favores, lobbies e recursos do Bacen.

Assim, disse o ministro, pode-se perceber que há indícios da participação do Banco Rural e sua diretoria, não reclamando, neste momento, a individualização da participação de cada um dos dirigentes nos supostos delitos. Para o relator, ao se analisar o organograma e funcionalidade da direção do Banco Rural, deduz-se que a acusação se justifica pela responsabilidade solidária de todos os indiciados responsáveis pela direção da instituição.

Também foi citado, no voto do relator, o depoimento em CPMI, da presidente Kátia Rabello, sobre os saques ocorridos na agência do Rural em Brasília. Ela afirmou que a agência de Belo Horizonte autorizava os saques em Brasília, chegando a valores superiores a R$ 600 mil em um único saque. No entanto, qualquer operação acima de R$ 100 mil deve ser informada ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF). Assim, Kátia Rabello não teria explicado como o Banco Rural permitiu os saques feitos por terceiros sem registrar os beneficiários finais de vultosas somas, através de cheques nominais à SMP&B e DNA Propaganda.

O relator encerrou seu voto, acompanhado por unanimidade, no sentido de acatar a denúncia do procurador-geral da República, contra todos os denunciados nos dois núcleos, pelo crime de lavagem de dinheiro. O ministro Ricardo Lewandowski ressalvou seu voto em relação ao inciso VII [praticado por organização criminosa] por entender que essa tipificação traria sanções mais severas aos denunciados. Esse entendimento foi subscrito também pela ministra Cármen Lúcia Rocha e Eros Grau.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)