Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

27/06/2005 06:57

Sociedade precisa discutir autoridade da escola e Eca

Agência Notisa

Em entrevista à Notisa, pesquisador de educação que estará presente na 3ª Jornada Escola e Violência aponta que temas polêmicos precisam ser revistos.



Não são raros os relatos de violência dentro das escolas públicas do Rio de Janeiro. Brigas entre alunos, ameaças a educadores, invasão do espaço escolar por estranhos e até mesmo a existência de estudantes eventualmente armados. Mas como enfrentar este problema? Na opinião do pesquisador e professor da Faculdade de Educação da Uerj, Luiz Cavalieri Bazílio, as soluções possíveis passam, necessariamente, por três medidas: a aprovação do estatuto do desarmamento, a recuperação da autoridade do professor dentro da escola e uma reavaliação do significado do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) por parte dos profissionais da área de educação.



“Nós temos assistido um agravamento da violência na escola que envolve inúmeras questões, entre elas a questão do narcotráfico e a posse de armas de fogo”, alerta Bazílio. Para ele, a aprovação do estatuto do desarmamento ajudaria a minimizar em parte esse problema. “Não acredito que isso vai diminuir o volume de armas nas mãos de traficantes, mas com certeza vai dificultar o acesso a armas de pequeno calibre, justamente as mais encontradas nas mãos de alunos”, explica o pesquisador, que participará na próxima terça-feira (28/06) de um debate sobre o assunto, durante a III Jornada Escola e Violência, organizada pela Faculdade de Educação da Baixada Fluminense do campus da Uerj de Duque de Caxias, Rio de Janeiro.



Crise de autoridade



Por telefone, Bazílio afirmou à Notisa que a autoridade da escola diante do aluno está em crise, o que seria mais um fator de tensão. “Ao longo do tempo, as relações se tornaram muito informais. Alguns ritos de poder e de autoridade importantes foram perdidos nesse processo e não foram substituídos por outros”, defende. O professor faz questão de ressaltar que não se trata de uma volta ao autoritarismo do passado. “Há 35 anos, quando eu ainda era um estudante ginasial, o diretor entrava em sala e todos paravam de fazer tudo e ficavam de pé. Não estou defendendo que isso ocorra hoje, mas acho que tem que se pensar em outros formatos que retomem alguma liturgia de poder. A relação professor-aluno e a relação direção-aluno, na verdade, têm que se caracterizar como relações assimétricas em alguns momentos. Não dá para ser ‘coleguinha’ sempre”, afirma o pesquisador.



No decorrer do tempo, Bazílio identifica um esvaziamento do apoio pedagógico ao professor. “Minha percepção é a de que antes havia um suporte e que, hoje, o professor está mais sozinho diante do aluno”, critica. Por outro lado, faltaria à classe docente um diálogo maior entre si. “Acho que os professores têm discutido suas dificuldades de maneira pouco organizada, algo mais próximo do desabafo que do enfrentamento do problema em si”, diz.



Segundo Bazílio, parte dessa crise de autoridade vivida pela escola enquanto instituição e pelos educadores deve-se à má interpretação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), tanto por alunos, quanto por profissionais da educação. O pesquisador participou de uma pesquisa junto a escolas do Rio de Janeiro, entre 2001 e 2004, e conta que alguns professores afirmaram que “a escola perdeu autoridade em função dos Conselhos Tutelares (criados após o ECA)”, o que não seria verdade. Ele cita como exemplo depoimentos colhidos durante o estudo em que o professor, diante de um aluno bagunceiro, ameaça mandá-lo ao Conselho Tutelar. Ou o inverso: estudantes que não acatam a ordem do professor para saírem de sala de aula, alegando que a medida é contra o ECA. “Há casos, inclusive, em que a guarda municipal é acionada para resolver conflitos dentro da escola. A atuação de um agente externo na solução de problemas internos só agrava a situação a médio e longo prazos”, afirma.

Bazílio admite que suas opiniões são polêmicas e que o consenso sobre o assunto é muito difícil. “Tenho certeza de que muitos participantes da III Jornada Escola e Violência não concordarão com as minhas posições”, diz.

Agência Notisa (jornalismo científico - science journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)