Cassilândia, Sábado, 26 de Maio de 2018

Últimas Notícias

14/08/2006 13:50

Só 5 das 17 barreiras contra aftosa permanecem ativas

Fernanda Mathias / Campo Grande News

Somente 5 das 17 barreiars montadas emergencialmente em outubro do ano passado, quando foram confirmados focos de febre aftosa no Conesul do Estado, permanecem ativas. A informação consta em reportagem publicada ontem pelo jornal Estadão, abordando a precariedade do combate à doença. Dos cinco postos ativos, dois não teriam sequer energia elétrica e estariam funcionando em estruturas precárias, quando têm função estratégica. Somente dois agentes estariam atuando em cada barreira e estariam usando lampiões e lanternas para verificar os veículos e só estariam atuando até o início da noite, por falta de segurança."É quando entra o boi do Paraguai', alerta o presidente do Sindicato Rural de Iguatemi, José Roberto Felippe Arcoverde.

A reportagem lembra a motivação histórica para o contrabando: valor de 30% a 40% mais barato pela arroba no Paraguai e que pela importância do produto a questão não é conduzida com todo cuidado necessário.
O Brasil lidera as exportações mundiais de carne bovina, um negócio que movimenta cerca de US$ 3,5 bilhões por ano. Lembra, ainda, que a adtosa atingiu em cheio as exportações brasileiras, causou a interdição de centenas de propriedades em cinco municípios e levou ao sacrifício de 34 mil cabeças de gado, provocando o fechamento de 16 frigoríficos e deixando milhares de pessoas sem emprego. No Estado a redução de remessas ao mercado externo foi de 80%.

Na quinta-feira, a reportagem do Estado percorreu mais de 50 quilômetros da linha internacional, na divisa com a região interditada dos municípios de Japorã e Novo Mundo, e flagrou uma boiada solta na estrada e sem qualquer fiscalização. “Não se viu nem sinal da presença das cinco equipes volantes criadas para percorrer a fronteira”, cita a reportagem. Ainda assim, a estrutura montada para controle é precária, com efetivos insuficientes para os territórios dos municípios fiscalizados. Funcionários dizem que a estrutura montada para controle da doença já foi drasticamente reduzida. Esta semana o Ministério da Agricultura revela novos resultados de sorologia que mostrarão se a doença permanece ou não no Estado.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)