Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

06/10/2006 09:15

Serys está "blindada", reconhece relator do processo

Iolando Lourenço/ABr

O depoimento da senadora Serys Slhessarenko (PT-MT) no Conselho de Ética do Senado, ontem (5), por suspeita de participação na compra superfaturada de ambulâncias com recursos públicos, agradou ao relator do processo contra ela, senador Paulo Octávio (PFL-DF).

"A senadora fez um depoimento contundente e firme, que enriqueceu o nosso relatório e tirou dúvidas que existiam", disse o relator.

"Está comprovado que teve uma participação ética no exercício do cargo. O fato de ter apresentado emendas em 2003 para a compra de ambulâncias não quer dizer que ela tenha recebido algum favor em troca", afirmou Paulo Octávio.

"A senadora está até o momento blindada no que se refere à participação efetiva na elaboração de emendas parlamentares em troca de favores", completou o relator.

Paulo Octávio informou também que ficou claro, em todos os depoimentos, que a senadora não teve nenhum contato com a Planam, empresa acusada de comandar a “máfia dos sanguessugas”. "Temos muitas mentiras e muitas contradições nos depoimentos, mas em nenhum deles se falou que a senadora teria recebido favores da Planam”.

Para concluir o parecer e apresentá-lo ao Conselho de Ética, o relator espera cópia do cheque de R$ 37 mil que o genro da senadora, Paulo Roberto Ribeiro, disse ter recebido na sede da Planam como pagamento de uma venda que teria feito à empresa.

Mas o empresário Luiz Antonio Vedoin, dono da Planam, afirmou que o cheque não existe e ele nunca comprou equipamentos do genro da senadora. O que ele admite é ter dado a Paulo Roberto R$ 35 mil, em espécie, como pagamento de comissão pela apresentação de emendas para compra de ambulâncias.

Ao deixar o Conselho de Ética, Serys voltou a jurar inocência e disse ter quase certeza de que houve motivação política no envolvimento do nome dela. “O primeiro parlamentar acusado pelo Luiz Antonio Vedoin no depoimento de nove dias fui eu. Mas mesmo ele sendo organizado, tendo tudo anotado, não existe qualquer prova contra mim", afirmou.

A senadora também afirmou que seu depoimento foi muito importante, porque só depois de 120 dias de “linchamento público”, ela teve a oportunidade de se defender nos órgãos de investigação do Senado. Ela disse que não pôde se defender na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos Sanguessugas, que aprovou relatório parcial incluindo seu nome.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)