Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

10/11/2005 13:37

Serraglio lista razões para duvidar de empréstimos

Agência Câmara

O relator da CPMI dos Correios, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), apresentou há pouco na reunião da CPMI as razões pelas quais acredita que os empréstimos feitos pelas empresas de Marcos Valério não são a fonte de recursos da distribuição de dinheiro feita pelo empresário.
Para o relator, é "ilógico e irracional", do ponto de vista empresarial, que os bancos tenham emprestado a quantia de R$ 55 milhões - que Valério e Delúbio Soares dizem ter emprestado junto aos bancos Rural e BMG para pagar as contas de campanha do PT - tendo garantias tão frágeis como contratos de publicidade.

Regras burladas
Segundo Serraglio, outros empréstimos feitos no Banco Rural e no BMG a outras empresas têm o trato normal do comércio. Apenas os feitos a Valério teriam condições especiais, como nenhuma cobrança de juros e sucessivas renovações. Um contrato teria chegado a ser renovado dez vezes, e outro, seis. "Isso compromete tanto Valério quanto os bancos, porque, se não há ânimo para cobrar, também não há para pagar", ponderou o relator. O deputado afirmou que só se começou a falar em cobrança após o início da CPMI.
Outra razão para desconfiar dos empréstimos, na opinião do relator, é a inexistência de contrato entre PT e Valério. "O PT inclusive não os admite", enfatizou.

Saques
De acordo com Osmar Serraglio, houve ainda saques nas contas de Valério antes dos supostos empréstimos. Para ele, os depoimentos dos donos dos bancos deixam claro o tráfico de influência. Lembrou que Valério foi descrito como “facilitador de negócios” pela dona do Banco Rural, Kátia Rabello. "Os empréstimos foram dados a ele como pessoa que teria influência dentro do governo", destacou.

Fraude contábil
Serraglio acha que houve uma evidente fraude contábil nos livros das empresas de Marcos Valério. Segundo ele, nenhuma contabilidade ali registrada é confiável. "Há lacunas, erros e inconsistências que tornam praticamente nulos os registros do empresário", avaliou. "O registro da DNA, por exemplo, foi feito em setembro, e o da SMPB nem sequer estava registrado, o que seria obrigatório. A contabilidade também não continha os empréstimos feitos para o PT". Esses erros, disse o relator, foram apontados pela própria Receita Federal e não pela CPMI.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)