Cassilândia, Domingo, 24 de Setembro de 2017

Últimas Notícias

08/03/2013 07:40

Ser mulher é ser muitas mulheres

Thaís Antonio e Pollyane Marques, Agência Brasil

Brasília - Depois da revolução sexual dos anos 1960, ficou mais fácil para a mulher fazer escolhas diferentes do que era esperado tradicionalmente: casar-se e ter filhos. Meio século depois, é impossível enumerar as possibilidades que uma mulher.

Priorizar a carreira, cuidar da casa e dos filhos, conciliar as duas coisas, casar-se com outra mulher, não se casar, cumprir o protocolo tradicional ou mesmo não fazer planos? As escolhas são muitas. Como são muitas as mulheres. E muitos sonhos, desejos, anseios. Diferentes escolhas mostram que não há fórmula para ser mulher. Nem para ser feliz. Ser mulher é lutar para que seus direitos e desejos sejam respeitados. Sejam eles quais forem.

A psicóloga Elizângela Roque divide, aos 40 anos de idade, o tempo entre os pacientes e os oito filhos. Logo que se casou, os planos eram seis crianças. Em 2011, já com cinco, conheceram um colega de classe do filho mais novo. A criança era de um abrigo e eles decidiram adotá-la. Quando deram entrada no processo, descobriram que ela tinha um irmão.

“Adotamos os dois e eles estão conosco há um ano e meio. No processo de adoção eu fiquei grávida”, conta. Hoje, com os oito filhos, a rotina depende de muita organização: tem hora para assistir TV, para fazer tarefa e para as atividades extraclasse. “É uma opção de vida. Sou profissional, sou psicóloga de formação e trabalho no serviço público. É um grande desafio, não é nada simples, mas é também uma alegria muito grande”.

Aumentar a família faz parte dos planos da jornalista Marina Marcondes. Ela e a companheira já têm uma filha cada, de relacionamentos anteriores. O sonho agora é criar juntas um menino. “Acho que não é pelo fato de eu ser lésbica que não posso gerar uma criança. A gente não tem nada muito decidido ainda, porque ter mais uma criança gera gastos e uma série de questões financeiras e estruturais”, pondera.

Por enquanto, as duas estão se organizando para poder dar um irmão às duas filhas. “A vontade é muito forte, o sonho é muito grande e o amor, para gerar mais uma vida, é maior ainda. Se não der pra gerar, a gente pensa em adotar. O que a gente quer, na verdade, é dar amor a uma criança”, resume.

Professora de formação e dona de casa desde o casamento, Luciana Chagas abriu mão da carreira para se dedicar à maternidade. “Eu me sinto completamente realizada. Toda mulher que é mãe, com quem eu converso, fala que a melhor coisa que existe é ter filho, porque eles trazem uma sensação inigualável e a gente se sente muito amada”, relata.

Ser professora era um sonho de infância. “Renunciei muito consciente e muito feliz por isso”, destaca. Para Luciana, valeu a pena estar constantemente ao lado da primeira filha, hoje com um ano. “É uma novidade ver uma criança se desenvolvendo, a gente aprende o tempo inteiro. E é uma oportunidade de se doar”.

A maternidade e o casamento não fazem parte dos planos da também professora Verônica Lima. Para ela, a realização está em outras escolhas. “Quando penso em realização, penso em viajar mais, aprender mais, conhecer mais gente, falar outro idioma. Eu não penso que [trazer] uma criança ao mundo vá me deixar mais ou menos realizada do que sou hoje em dia. Talvez, para algumas pessoas sim, mas para mim isso não é sinônimo [de realização]”.

Assim como Verônica, a assistente administrativa de uma empresa internacional Juliana Pinto não faz planos de se casar nem de ter filhos. Não é uma questão fechada, mas não passa pelos sonhos dela. “Não penso em me casar nem em ter filhos por uma inquietação, talvez, com essa norma social de que a gente é criada para isso, que esse é o sonho de todo mundo”.

Ela diz que começou a repensar as relações humanas em geral. “E o que busco é uma independência emocional sozinha. Aí acho que vou poder ter um relacionamento, ou não. Pode até ser um relacionamento monogâmico, poligâmico ou a três. Ou até ficar sozinha, ter uma casa cheia de gatos”. Segundo ela, são tantas as opções que se tem para o futuro, que se estiver bem consigo mesma, qualquer uma vai ser agradável.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 24 de Setembro de 2017
Sábado, 23 de Setembro de 2017
Sexta, 22 de Setembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)