Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

25/05/2005 06:38

"Separar o joio do trigo", diz o diretor dos Correios

João Rocha/artigo

A corrupção é um dos fatores mais negativos que atingem as instituições no Brasil. Além dos prejuízos financeiros causados aos cofres públicos, a corrupção trás no seu bojo outro fato grave que é a destruição da imagem do Estado junto ao povo. A persistência da corrupção leva à total perda de credibilidade dos entes estatais (seja do Executivo, do Legislativo ou do Judiciário) junto à população, deteriorando o regime democrático e a confiança nas instituições nacionais. As denúncias de corrupção por parte de alguns integrantes da direção dos Correios, em Brasília, acontece num momento em que outras denúncias avolumam nos jornais, como é o caso dos deputados estaduais de Rondônia, passando a idéia de que o país vive uma “crise moral”.

Quero aqui me ater às denúncias que pesam sobre os Correios. Em primeiro lugar, é preciso situar a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) no contexto nacional. Empresa estatal, controlada pelo governo federal, a ECT é uma das empresas com mais credibilidade junto à população, fato constatado em diversas pesquisas de âmbito nacional que colocam os Correios como uma das instituições mais confiáveis do país. Essa confiança é fruto de décadas de atuação em todos os municípios do Brasil. Com um quadro de 109 mil funcionários a ECT é também a maior empregadora celetista (com carteira assinada) do Brasil. É também uma empresa lucrativa, que ao invés de absorver recursos públicos, tem repassado anualmente parte de seus lucros para o governo federal, como no ano passado quando repassou R$ 75 mihões ao governo. São recursos à disposição para serem investido em outras áreas, como a social, por exemplo.

Os prejuízos financeiros causados pela corrupção podem até ser recuperados, como uma atuação firme e autônoma da Polícia Federal, mas o estrago na imagem de uma empresa do porte dos Correios será mais difícil. Uma imagem positiva, construída ao longo de décadas, corre o risco de ir para o ralo por conta da irresponsabilidade de alguns. Por isso vimos à público defender uma empresa – e seus funcionários – que não podem ser responsabilizados por atos praticados por poucos.

Consideramos as denúncias como um fato grave, que deve ser tratado de forma dura e exemplar. Mas ao mesmo tempo nos insurgimos contra o uso desta situação para atacar a ECT como um todo, com a finalidade de privatizá-la. O governo Fernando Henrique (do PSDB) tentou privatizar os Correios. Não conseguiram. Agora, junto com as multinacionais que querem entrar nesse mercado lucrativo, voltam à carga para tentar vender novamente os Correios do Brasil. Para isso não medem conseqüências, não hesitando em jogar a história da ECT no lixo e omitindo os resultados positivos obtidos pela empresa nos últimos anos.

É preciso separar o joio do trigo: a corrupção é um mal que pode atingir todas as instituições – sejam públicas ou privadas - e deve ser combatida com todas as armas, o tempo todo. Mas é preciso ver por trás do jogo de cena o que está realmente em questão: a manutenção de um modelo que deu certo no Brasil (no caso um Correios Público e de Qualidade) ou a aventura de uma privatização cujas conseqüências em termos de demissões e queda da qualidade dos serviços ainda não foram dimensionadas.



João Rocha é Diretor Regional dos Correios no Mato Grosso do Sul

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)