Cassilândia, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

28/07/2004 10:38

Senadora ficará sem o sobrenome Slhessarenko

Conhecida politicamente como Serys Slhessarenko, a senadora mato-grossense terá que a partir do dia 1° de fevereiro de 2005 suprimir o sobrenome Slhessarenko, herdado do ex-marido, professor aposentado da UFMT, Leonardo Slhessarenko.

Pelo acordo no processo de divórcio, ficou decidido que em função da parlamentar integrar a Mesa Diretora do Senado, ela pode usar o sobrenome de Leonardo até o final desta gestão. Depois retoma o nome de solteira, Serys Marli dos Santos.

A supressão do sobrenome pode trazer implicações para a carreira política da senadora que, apesar de ser complicado e de difícil pronuncia, terá que passar por um processo de adequação de um segundo nome ou mesmo adotar apenas Serys para o eleitorado.

O assessor técnico da senadora, Enock Cavalcanti, afirmou que em termo de votação não terá implicação devido a eleição ser decidida por número e não nominalmente. Entretanto, o assessor diz que o sobrenome Slhessarenko se tornou uma marca da parlamentar petista.

A senadora Serys foi procurada ontem pela reportagem. Segundo sua assessoria, em Brasília, não foi possível contato porque estava em viagem para o município de Rosário Oeste. A petista cumpre extensa agenda política em Mato Grosso, cujo objetivo é reforçar o apoio às candidaturas do PT e partidos aliados no interior do Estado.

Pelo acordo no processo de separação, está prevista a retirada do sobrenome dos documentos até a data limite, quer dizer, 1° de fevereiro. No entanto, segundo a assessoria, ainda se tenta um entendimento com Leonardo até o último momento.

O professor aposentado disse que a separação foi consensual. Ele entende que o correto é a senadora deixar de usar o Slhessarenko. “Agora, uma vez separado e não existindo mais uma sociedade conjugal não tem porque ela continuar usando o meu nome”, explicou Leonardo, um dos fundadores da UFMT.

No caso do processo de separação da prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, e o senador Eduardo Suplicy foi permitido ela continuar utilizando o nome do ex-marido. Conforme Slhessarenko, a permissão foi uma decisão voluntária do senador petista.

Contrariamente, por exigência do professor Slhessarenko a senadora não ficará usando o seu nome. Leonardo e Serys foram casados por 38 anos. Eles têm quatro filhos e quatro netos.



Matéria do Diário de Cuiabá, de autoria da jornalista Noelma Oliveira

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 27 de Fevereiro de 2017
Domingo, 26 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 25 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
07:30
Loterias
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)