Cassilândia, Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

19/09/2016 17:51

Senador defende salto de qualidade para educação, iniciando em pequenas cidades

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil
Senador Cristovam Buarque fez  uma palestra especial no seminário Vinte Anos da Nova Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoFabio Rodrigues Pozzebom/Agência BrasilSenador Cristovam Buarque fez uma palestra especial no seminário Vinte Anos da Nova Lei de Diretrizes e Bases da EducaçãoFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

 

O Brasil tem que dar um salto de qualidade na área da educação, iniciando em pequenas cidades, para não correr o risco de caminhar para uma desagregação por fatores que vão desde a falta de utopia na juventude até a ausência de partidos com propostas no país, disse hoje (19) o senador Cristovam Buarque (PPS-DF), membro da Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado.

O senador fez uma palestra especial no seminário Vinte Anos da Nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação, promovido pela Fundação Getulio Vargas, no Rio de Janeiro. O senador foi reitor da Universidade de Brasília (UnB) e ministro da Educação entre 2003 e 2004, no primeiro mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.


Para Cristovam, embora tenha leis relativas à educação, “algo não está funcionando bem e isso ameaça o projeto de futuro do Brasil”. Ele disse que o país precisa de professores bem preparados, escolhidos entre os melhores quadros da juventude, com dedicação exclusiva, sendo avaliados periodicamente, segundo critérios estabelecidos. O professor tem que falar a linguagem dos jovens, que é a das tecnologias modernas e a escola, por sua vez, tem que ser em horário integral, incluindo ensino de idiomas, “para poder ensinar tudo” e tirar as crianças e jovens da rua e da frente da televisão.

Segundo o senador, isso custaria em torno de R$ 15 mil por aluno/ano (o gasto mínimo anual por aluno da educação básica pública em 2015 foi R$ 2.545,31), o que daria para pagar R$ 15 mil por mês para um professor com turma de 30 alunos. Para ele, não há como melhorar o sistema atual, a não ser criando um novo sistema que multiplique pelo país escolas com essas características. Cristóvam acredita que o novo sistema possa ser atingido no prazo de 20 a 25 anos. “É possível dar um salto de qualidade já por algumas cidades. E, aos poucos, no Brasil inteiro", disse.

Para a escolha desses municípios, terão que ser criados critérios, entre os quais o tamanho das cidades. “Primeiro, tem que ser pequenas para começar. Segundo, não pode ser só de um partido, sobretudo do governo. Terceiro, tem que ter a aprovação da Câmara dos Vereadores, do prefeito e da comunidade, para que o próximo prefeito [seguinte] continue [com o projeto]”. Com esse sistema aplicado, o custo aluno/ano seria reduzido.

Primeiro passo

O senador tem dialogado com o governo de Michel Temer sobre essa proposta, embora não acredite que a atual administração tenha condições de implementar a proposta, “pelo menos em grande quantidade". Ele diz que o papel do atual governo é equilibrar as contas, retomar o crescimento da economia e o diálogo político. Caso a ideia frutifique e se transforme em realidade na gestão Temer, Buarque diz que será “o começo de um primeiro passo para a gente fazer mais amplo o projeto no futuro”.

Para dar um salto de qualidade na educação, o senador acredita que o Brasil precisa ter ambição e defende que a escola tem de ser da mesma qualidade para todos. Cristóvam acredita que se esse sistema fosse implantado hoje, a nova escola diminuiria a desigualdade herdada, apesar de o problema só ser resolvido totalmente na segunda geração, ou seja, para os filhos das atuais crianças brasileiras. O senador também disse que há no Brasil um problema cultural que precisa ser mudado. “O Brasil não é um povo que valorize a educação em si”.

Para Cristóvam, a educação de base tem de ser melhorada. “A educação tem que ser uma questão da Presidência da República”. Nesse sentido, ele defendeu que haja no país um ministro para a educação de base, que poderia incluir também o ensino médio. As universidades poderiam ir para a pasta da Ciência e Tecnologia.

Edição: Fábio Massalli

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 20 de Fevereiro de 2017
Domingo, 19 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 18 de Fevereiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)