Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

27/11/2009 17:30

Sem sinal de agressão, jornalista indiciado em 3 crimes

Campo Grande News/ Edivaldo Bitencourt e Nadyenka Castro

Após nove dias de investigação, o delegado do 1º Distrito Policial, Márcio Rogério Custódio, concluiu o inquérito pela morte do menino Rogério Mendonça, o Rogerinho, e do baleamento de seu avó, o pecuarista João Afonso Pedra, após uma briga no trânsito.

Sem sinais de agressão, para comprovar a tese de legítima defesa, o jornalista e dono do semanário Jornal Independente, Agnaldo Ferreira Gonçalves, 60 anos, foi indiciado em três crimes com agravantes.

O delegado o indiciou por homicídio doloso qualificado de Rogerinho, com dois agravantes: motivo torpe (vingança) e impossibilidade de defesa da vítima. Também foi indiciado por três tentativas de homicídio contra o condutor da caminhonete L-200, Aldemir Pedra Neto, e a irmã do menino, Ana Maria, de cinco anos; e porte ilegal de arma de fogo de uso permitido.

Para Custódio, o jornalista tinha intenção de matar. “Se ele não tivesse armado, não teria ocorrido esta tragédia”, ressaltou o delegado durante entrevista coletiva, hoje à tarde, na DGPC (Diretoria Geral da Polícia Civil).

Sem brigas - O delegado concluiu que não houve brigas com agressões físicas, como alegou o jornalista. Prevaleceu a versão das vítimas, incluindo-se a do condutor da caminhonete. Duas testemunhas, incluindo-se uma que apareceu hoje de manhã, confirmaram esta versão.

De acordo com o delegado, os dois discutiram e trocaram empurrões. No entanto, não foi confirmada a agressão física do jornalista. O principal indício é de que ele chegou à Depac (Delegacia do Pronto Atendimento Comunitário) sem qualquer sinal de lesão ou agressão. O exame de corpo delito também não encontrou sinal de escoriações ou manchas em Gonçalves.

Outro agravante, segundo a polícia, é de que Agnaldo Ferreira Gonçalves sabia da existência de crianças dentro do veículo. No segundo momento do embate entre os dois condutores, na Avenida Mato Grosso, entre a Avenida Calógeras e a Rua 14 de Julho, no centro, o avô do menino saiu do carro e teria feito um apelo para se encerrar a briga ali. Ele teria destacado que não houve dano material e as crianças estavam na caminhonete.

Gonçalves se contradiz ao afirmar, em depoimento, que só atirou porque viu a arma de fogo em poder do Pedra Neto. No entanto, ele não explicou como conseguiu ver o revólver, mas não enxergou as crianças no banco de trás do veículo.

Laudos – O laudos descreveram a trajetória dos cinco disparos feitos pelo jornalista. O primeiro atingiu apenas a janela do lado do passageiro. O segundo feriu Rogerinho no pescoço, que estava de pé no banco de trás e assistindo a cena pendurado na janela da caminhonete.

O terceiro tiro atingiu a lateral do veículo. O quarto atingiu o vidro traseiro, bateu no teto e se estilhaçou, atingindo o parabrisa e a menina de cinco anos nos olhos e nas costas. Após os disparos, ele recarregou a arma com munição orgival, que não explode.

Vítima – Em depoimento à Polícia, Agnaldo admitiu que só viu as crianças após efetuar os tiros. Ele chegou à Depac na condição de vítima, para registrar boletim de ocorrência contra o motorista da caminhonete.

Segundo o delegado, o jornalista manifestou ´"frieza" e só se sensibilizou quando soube da morte do menino, que não resistiu e faleceu três horas após dar entrada na Santa Casa de Campo Grande.

Aldemir Pedra Neto não foi indiciado, apesar de estar com a CNH suspensa devido a Boletim de Ocorrênica registrado em abril, por direção perigosa. Ele foi detido em flagrante quando fazia manobras arriscadas na BR, em Jardim.

Segundo o delegado, a suspensão da Carteira é uma infração administrativa de trânsito. O único criminoso na história seria o jornalista. “Ele perdeu o controle”, avaliou Custódio.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)