Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

07/01/2015 11:58

Sem dinheiro, hospital deixa de atender novos pacientes com câncer

Campo Grande News

A partir de hoje, pessoas com suspeita de câncer que procurarem o hospital de referência em Dourados, a 233 km de Campo Grande, ficarão sem atendimento. A decisão de parar de receber novos pacientes foi tomada pela direção do Hospital do Câncer devido à falta de pagamento dos serviços prestados ao Hospital Evangélico, que é contratado pela prefeitura da segunda maior cidade de Mato Grosso do Sul para procedimentos de oncologia através do SUS (Sistema Único de Saúde).

Moradores de outros 32 municípios da região dependem dos serviços especializados de saúde custeados pelo SUS oferecidos na cidade e também serão prejudicados com a suspensão do atendimento.

O médico Davi Vieira, sócio da empresa terceirizada pelo Evangélico para atendimento de oncologia, disse hoje ao Campo Grande News que o atraso no pagamento é constante. Por mês as despesas chegam a R$ 400 mil em média.

Na manhã desta quarta o funcionamento da clínica ocorreu normalmente e pacientes já agendados foram atendidos. Entretanto, se o dinheiro não for repassado para pagamento das despesas o serviço pode ser totalmente suspenso ainda nesta semana.

O atraso no pagamento dos serviços de oncologia prestados pela empresa terceirizada é mais um capítulo na crise financeira que atinge o Hospital Evangélico, maior instituição hospitalar particular do interior do Estado. No mês passado, profissionais de enfermagem ameaçaram entrar em greve por atraso dos salários de novembro e do 13º. A paralisação foi suspensa depois que o hospital fez os pagamentos.

Como não possui estrutura para atendimento especializado de saúde, a prefeitura contrata o Evangélico para prestação de serviços de oncologia, cardiologia e nefrologia (rins). O dinheiro para pagar pelo atendimento vem do Ministério da Saúde e o município repassa ao Evangélico, que por sua vez repassa às empresas terceirizadas contratadas pela instituição para oferecer os atendimentos.

Por mês, o Hospital Evangélico recebe pelo menos R$ 1,4 milhão para oferecer atendimento especializado nessas três áreas. Desde setembro a instituição não administra mais o Hospital da Vida, que passou a ser gerenciado pela prefeitura.

Davi Vieira disse que os atrasos ocorrem sempre porque o dinheiro vem do Ministério da Saúde, é repassado pela prefeitura, mas o Evangélico não paga em dia pelos serviços, prejudicando o atendimento, já que sem o dinheiro a clínica terceirizada não consegue comprar medicamentos usados no tratamento dos pacientes com câncer.

A história do Hospital do Câncer – Concretizado através de uma campanha de doações feita durante vários anos pela Associação de Combate ao Câncer da Grande Dourados, o prédio que deveria ser o Hospital do Câncer foi construído no terreno anexo ao Hospital Evangélico e nunca funcionou com autonomia.

A estrutura é utilizada por uma empresa privada, que tem médicos oncologistas como sócios, contratada pelo próprio Evangélico para atender pacientes do SUS.

Em agosto do ano passado, a unidade chegou na suspender o fornecimento de medicamentos aos pacientes por falta de dinheiro e a direção alegou na época a existência de uma dívida de R$ 2 milhões, contraída para cobrir as despesas devido ao atraso no pagamento feito pelo Evangélico.

A assessoria do Hospital Evangélico foi procurada nesta quarta, mas o assessor não foi encontrado.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)