Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

14/12/2007 14:30

Sem CPMF, Receita prepara medidas contra sonegação

A prorrogação da Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF) mal foi rejeitada pelo Congresso Nacional e a Receita Federal já se mobiliza para não perder o acesso às informações da movimentação financeira dos contribuintes - considerado um dos pilares da fiscalização das pessoas físicas e das empresas nos últimos anos.



O acesso à movimentação financeira dos contribuintes permite ao órgão projetar os rendimentos dos contribuintes e, portanto, o quanto cada um deveria estar pagando em impostos, tentando evitar a sonegação.



A Receita explica que a CPMF ajuda, por exemplo, a identificar empresas que apresentam movimentação financeira mas que se dizem inativas. No caso das pessoas físicas funciona da mesma forma, ajuda a identificar pessoas que se declaram isentas no Imposto de Renda mas com movimentação financeira muito superior à renda ou ao patrimônio declarado.

Segundo o secretário-adjunto da Receita Federal, Paulo Ricardo de Souza, o órgão vai buscar regulamentar um dispositivo da lei complementar 105, que já permite o envio, pelos bancos, de informações da movimentação do cartão de crédito das pessoas físicas e jurídicas ao órgão, para continuar tendo acesso à movimentação financeira dos contribuintes do país.



Até o momento, este controle é por meio da CPMF - que tributa 0,38% de cada movimentação financeira até 31 de dezembro próximo, quando vai terminar, devido à não prorrogação do tributo pelo Senado na madrugada desta quinta-feira (13). A utilização dos dados da CPMF para o combate à sonegação fiscal era um dos principais argumentos do governo federal para tentar prorrogar a CPMF até 2011. Nesta sexta-feira (14), porém, após a derrota no Senado, a Receita Federal admitiu que há outros caminhos.

"A administração tributária tem que buscar outros meios para continuar tendo a identificação destes contribuintes, daqueles que não pagam impostos. Outros países que não têm CPMF, têm acesso às informacões junto ao sistema financeiro. E temos a lei complementar 105, que é a mesma lei que dá respaldo para as informações de cartões de crédito, que também possibilita à Receita Federal, por meio de regulamentação, de acessar as informações do sistema financeiro de movimentação. Não tenho dúvida de que, se não tivermos essas informações, a identificação da sonegação fiscal no Brasil terá uma deficiência e queda violenta", disse Paulo Ricardo ao G1. O secretário acrescentou que a CPMF, porém, era mais efetiva no combate à sonegação. "[A gente] tem acesso a informação com muito mais precisão na CPMF. Porque é base de cálculo de um imposto", explicou.

Segundo ele, a Receita Federal quer regulamentar, nos próximos meses (Paulo Ricardo espera que seja antes de junho de 2008), um dispositivo que determinará ao sistema financeiro o envio das informações de movimentação financeira dos contribuintes. "Já está em lei complementar. É uma questão de verificar que tipo de informação seria o foco para continuarmos tendo esses dados necessários. Espero que a gente tenha essa análise concluída com certeza antes do meio do ano que vem", acrescentou o secretário-adjunto da Receita Federal.

O secretário disse ainda que, com o fim da CPMF, a pressão em torno da Receita Federal, para elevar a arrecadação, não vai diminuir. "Temos uma realidade. A nossa previsão de arrecadação não pode ser a mesma a partir do fato de a CPMF não existir mais em 2008. A pressão é um trabalho de 24 horas por dia dentro da Receita Federal. Sempre somos pressionados a cumprir as demandas orçamentárias. E isso vai continuar", disse ele.


G1

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)