Cassilândia, Segunda-feira, 12 de Novembro de 2018

Últimas Notícias

10/09/2018 15:00

Sedentarismo afeta metade da população brasileira, aponta estudo

Ativo.com

Um estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) e publicado na revista The Lancet Global Health, mostra que o sedentarismo no mundo cresceu nos últimos 15 anos. A pesquisa levou em conta dados de 2001 até 2016 de vários países, incluindo o Brasil.

No território brasileiro, cerca de 47% da população não se exercita o suficiente. Isso quer dizer que, segundo os padrões da OMS, as pessoas não praticam cerca de 150 minutos de atividade de intensidade moderada, ou 75 minutos de exercícios em alta intensidade.

Os números do Brasil surpreenderam e ficaram acima de países como Estados Unidos com 40% e o Reino Unido com 36%.

A inatividade, ou a ociosidade, é maior nas mulheres — 53,3% contra 40,4% de homens sedentários.

Segundo a coautora do estudo, Melody Ding, da Universidade de Sydney, na Austrália, “mulheres enfrentam mais barreiras sociais e culturais para participar de atividades físicas, particularmente nas horas de lazer”.

Mesmo com o crescimento do número de academias e espaços para treinamentos diversos, a taxa de inatividade aumentou mais de 15% desde 2002. A meta da OMS é que esta taxa se reduza em 10% até 2025.

O sedentarismo no mundo
O estudo mostra que o sedentarismo na América do Sul e no Caribe são as regiões com as maiores taxas do mundo — cerca de 39%. Já a taxa global aponta que cerca de 27,5% da população está longe do ideal de movimentar-se.

Alguns países apresentaram números parecidos com o Brasil, como Singapura, Alemanha, Filipinas e Bulgária.

A Oceania foi a região que obteve melhor colocação nos índices da pesquisa, tendo apenas 16,3% dos habitantes sedentários.

Já no leste e no sudeste da Ásia, houve 9% de melhora nas taxas de sedentarismo desde 2001. A queda pode ser observada devido ao número de chineses que praticam atividades físicas acima do recomendado pela OMS.

Alguns países de alta renda do Ocidente e da Europa são áreas que apresentaram níveis elevados de inatividade física, o que demonstra que, quanto maior a renda da população, mais fácil de se tornar sedentária ela é.

Em países de baixa renda, onde as pessoas são obrigadas a irem para o trabalho andando ou de bicicleta, a diferença em relação aos países ricos é grande. Outra razão dessa disparidade é o envolvimento das pessoas na tarefas domésticas, o que não acontece em países mais ricos.

Como resolver o problema e qual a importância das políticas públicas?
A OMS estabeleceu uma meta de diminuir os níveis em 10% até 2025, mas teme que o objetivo não seja alcançado. Segundo a organização, é preciso mais empenho para que isso aconteça.

Para isso, a pesquisa aponta que os países deveriam implementar políticas públicas que estimulem formas alternativas de transporte. Ou seja, formas não motorizadas, como a caminhada e o ciclismo, o que acontece em países onde os carros não são populares.

Além de incrementar serviços básicos como ciclovias e calçadas, a entidade fala que promover atividades recreativas, esportes e aumentar a infraestrutura para tal, mesmo que seja em áreas da cidade onde o investimento seja menor, pode trazer resultados no futuro.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 12 de Novembro de 2018
10:00
Receita do dia
09:00
Santo do dia
Domingo, 11 de Novembro de 2018
09:00
Santo do dia
Sábado, 10 de Novembro de 2018
09:00
Santo do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)