Cassilândia, Segunda-feira, 28 de Maio de 2018

Últimas Notícias

15/08/2005 09:41

Se o valor do bem for ínfimo, não pode ser penhorado

Viriato Gaspar - STJ

Sendo o valor dos bens penhorados francamente irrisório em relação ao total da dívida, sem qualquer significação maior, objetiva, para a solução do débito, não há razão que justifique mover o aparelho judiciário para processar leilão insignificante, que não vai cumprir a finalidade do processo executório, qual seja, satisfazer o direito do credor de receber o que lhe é devido. Com esse entendimento, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em decisão unânime, acolhendo voto do ministro Aldir Passarinho Junior, não conheceu de recurso da Caixa Econômica Federal contra a empresária Arminda dos Santos Moura, de Brasília.

A empresária foi avalista em um contrato de mútuo firmado entre a CEF e o funcionário público Cláudio Paiva da Silva, celebrado em agosto de 1993, no valor de CR$ 2.617.600, equivalentes hoje a cerca de R$ 82.801,17. Não tendo o avalizado pago as prestações referentes ao contrato, foi a empresária executada pela Caixa Econômica, que conseguiu penhorar duas televisões, um aparelho de som e um videocassete da empresária.

O Tribunal Regional Federal da 1ª Região acolheu a apelação da empresária, suspendendo a penhora feita sobre os bens, por entender que são impenhoráveis bens como televisão e aparelho de som, que não podem ser considerados adornos suntuosos, bem como por serem os bens de valor ínfimo em face do valor da dívida. Daí o recurso especial da CEF para o STJ, alegando que os bens móveis que guarnecem a residência não podem ser considerados todos eles impenhoráveis, seja por existirem em quantidade, como dois aparelhos de televisão, seja por não serem indispensáveis ao dia-a-dia da família.

Além disso, argumentou a CEF, está mais do que comprovado nos autos que a dívida existe efetivamente e é direito da credora minimizar seu prejuízo, inclusive as custas judiciais que já despendeu para tentar reaver seu crédito. Assim, não viria ao caso alegar o pouco valor dos bens penhorados, em face do total da dívida, pois dessa forma se estaria promovendo o enriquecimento ilícito dos devedores em função da credora.

Ao não conhecer do recurso especial da CEF, o relator do processo, ministro Aldir Passarinho Junior, argumentou que é preciso considerar que, na vida moderna de hoje, é comum considerarem-se como bens móveis essenciais a uma qualidade de vida razoável, sem luxo, os aparelhos de televisão e de som e o videocassete. Para o relator, a questão da duplicidade, que, no caso, resume-se ao segundo aparelho de televisão, o que também é muito corriqueiro hoje nas residências, não pode ser considerado como luxo ou excesso, podendo ser compreendido até mesmo como bem essencial, ainda que haja um outro televisor na casa.

Para o relator do processo, o princípio da utilidade, que rege o processo executório, assegura que a execução da dívida deve satisfazer o direito do credor de receber o que lhe é devido, não podendo ser utilizada como instrumento de castigo ou de punição do devedor. Assim, sendo o valor dos bens penhorados francamente irrisório se comparado ao valor da dívida, pois uma das tevês foi avaliada em R$ 200 e o outro televisor em R$ 600, não se justifica manter a constrição, até porque não tem sentido mover o aparelho judiciário para processar tão insignificante leilão.

Manteve, por isso, a decisão do TRF-1 favorável à avalista, em voto que foi acompanhado, respectivamente, pelos ministros Jorge Scartezzini, Barros Monteiro e Cesar Asfor Rocha. Não participou do julgamento o ministro Fernando Gonçalves.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)