Cassilândia, Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2017

Últimas Notícias

29/01/2016 08:00

Santos consegue manter bloqueio de R$ 65 milhões em caso de Leandro Damião

TST
Foto: Gazeta EsportivaFoto: Gazeta Esportiva

O vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Ives Gandra Martins Filho, concedeu liminar para manter determinação judicial de arresto de R$ 65 milhões, em favor do Santos Futebol Clube, do valor de eventual novo contrato de trabalho firmado pelo jogador de futebol Leandro Damião com outro clube. A decisão se deu em mandado de segurança impetrado pelo Santos contra despacho anterior que suspendeu o arresto, determinado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP).

O caso

Contratado pelo Santos, Leandro Damião foi cedido ao Cruzeiro Esporte Clube, de Belo Horizonte (MG), pelo qual atuou na temporada de 2015. Em reclamação trabalhista, o juízo da 4ª Vara de Santos acolheu o pedido do jogador de rescisão indireta de seu contrato com o Santos, por atraso no pagamento de salários. O clube recorreu, mas o recurso ainda não foi julgado pelo TRT-SP.

Em dezembro, num primeiro pedido de correição parcial, Damião obteve liminar do corregedor-geral da Justiça do Trabalho, ministro Brito Pereira, que o liberava para negociar sua contratação por outro clube. Em cautelar ajuizada pelo Santos, porém, o TRT-SP determinou o arresto de R$ 200 milhões em caso de celebração de contrato com nova agremiação, ou € 200 milhões, em caso de contratação por clube estrangeiro.

Em nova correição parcial, o jogador conseguiu suspender o arresto por meio de decisão monocrática do presidente do TST, ministro Barros Levenhagen, levando o Santos a impetrar mandado de segurança.

Prejuízo irreparável

O clube alega ofensa a direito líquido e certo porque a determinação de arresto foi cassada pelo TST em correição parcial mesmo não tendo sido demonstrado atendado à boa ordem processual que a justificasse. Segundo o clube, a decisão deveria ser questionada no próprio TRT, por meio de agravo regimental, e não em correição parcial, pois não teria havido tumulto processual ou descumprimento de decisão da Corregedoria-Geral da Justiça do Trabalho.

Alega ainda o perigo da demora, argumentando que, de acordo com o contrato firmado, cabe ao jogador, no caso de mudança de clube, depositar um cheque caução naqueles valores, e, diante da irreversibilidade da liminar que suspendeu o arresto no caso de nova contratação, arcará prejuízo financeiro avaliado em R$ 65 milhões.

Decisão

No despacho que deferiu parcialmente a liminar, o ministro ponderou os dois lados da questão: de um, o prejuízo do atleta caso seja impedido de celebrar novo contrato pela exigência do depósito de quantia, em princípio, exorbitante, e, por outro, o fato de a reclamação trabalhista original relativa à rescisão do contrato ainda não ter transitado em julgado e tratar de matéria altamente controvertida.

"Considerando os contornos da questão posta em litígio, mostra-se recomendável a adoção de medida salomônica, que não acarrete ônus demasiado a nenhuma das partes, assegurando, de um lado, ao jogador o livre exercício de sua atividade profissional e, de outro, à entidade esportiva a prevenção de elevado prejuízo financeiro decorrente da rescisão antecipada do contrato", afirmou.

Com este fundamento, o ministro deferiu parcialmente a liminar, limitando o arresto ao valor de R$ 65 milhões apontado pelo clube como de seu efetivo prejuízo.

(Carmem Feijó)

Processo: MS-351-89.2016.5.00.0000

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 16 de Janeiro de 2017
Domingo, 15 de Janeiro de 2017
12:53
Cassilândia
10:50
Loterias
10:40
Loterias
10:20
Loterias
10:10
Loterias
10:00
Receita do dia
09:40
Loterias
09:00
Maternidade
Sábado, 14 de Janeiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)