Cassilândia, Quarta-feira, 20 de Março de 2019

Últimas Notícias

09/12/2018 09:00

Santa Leocádia

Redação

Santa Leocádia nasceu em Toledo, Espanha, de família nobre e de pais cristãos. Leocádia se distinguia pela nobreza, formosura e juventude, mas sobretudo por um grande fervor religioso. Era conhecidíssima nos círculos pagãos da cidade, e a prova é que tão logo Daciano chegou, trazendo a ordem para exterminar os cristãos, o nome de Leocádia foi indicado como um dos primeiros da lista. O tirano mandou chamá-la à sua presença, convencido de que ela renegaria sua fé, fosse através de afagos e promessas, fosse através de ameaças e tormentos. “Sendo a religião cristã, uma religião de gente pobre, de escravos e plebeus”, dizia-lhe ele, “como pode uma jovem rica pertencer a ela?”. Leocádia respondeu-lhe, dizendo que toda a sua glória estava em adorar Cristo e que por esse motivo jamais abandonaria sua fé. Estava disposta a morrer, como o seu Mestre, e dessa disposição ninguém e nada a demoveriam. Irritado, Daciano mandou açoitá-la. Coberta apenas por uma túnica roxa, com o sangue pingando sobre ela, mesmo assim ela se mantinha firme e, apesar de todo suplício continuou, proclamando sua fé. Foi então colocada numa prisão para cicatrizar as feridas antes de ser submetida a novas torturas. Contam que os cristãos, compadecidos, choravam ao ver o corpo de Leocádia totalmente despedaçado, cheio de contusões, aberto em feridas e deformado pelas pancadas com as varas. Na prisão, ela fez uma cruz na parede com as unhas e foi diante dessa cruz que ela expirou, no dia nove de dezembro do ano 304. Os toledanos tomaram-na como padroeira de sua cidade e, em sua homenagem, ergueram três templos: o primeiro, na casa onde ela nasceu, o segundo, na prisão onde esteve encarcerada e o terceiro, no local onde foi sepultada. Esse último deu origem à célebre Igreja de Santa Leocádia, sede dos grandes concílios de Toledo.

Hoje, nesse tempo de prazeres desenfreados e levianos, em que pouca gente quer ouvir falar de cruz, Santa Leocádia que experimentou na carne o sofrimento e a dor, nos lembra que há dois tipos de cruz: a primeira é a cruz sem Cristo, construída pelo orgulho, imposta pelo egoísmo humano e pelos sistemas opressores e injustos. Essa não deve ser aceita, porque é anticristã, diabólica e sem sentido. A segunda é a cruz que vem em decorrência de nossa fidelidade a Jesus, de nosso compromisso com um mundo mais justo e solidário. Essa sim, tem sentido, porque não constitui um fim em si mesmo, mas é instrumento de libertação e salvação.

VIANNA, Zélia (2005). Santidade Ontem e Hoje. Salvador: Paróquia de São Pedro

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 20 de Março de 2019
10:00
Receita do dia
09:00
Santo do dia
Terça, 19 de Março de 2019
09:00
Santo do dia
Segunda, 18 de Março de 2019
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)