Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

26/05/2010 15:21

Santa Casa da capital avisa que paciente grave ficará na ambulância

Campo Grande News/ João Humberto e Aline Queiroz

O Siems (Sindicato dos Trabalhadores na área de Enfermagem de Mato Grosso do Sul) apresenta cópia de documento encaminhado pela diretoria técnica da Santa Casa com determinação para que pacientes do interior em estado grave não sejam mais encaminhados ao hospital, diante de uma situação caótica no Pronto Socorro adulto.

No oficio, com data de 21 de maio, também é esclarecido que, caso a solicitação não seja respeitada, “pacientes graves ficarão dentro de ambulâncias, no pátio do hospital, até que a situação de lotação do pronto socorro seja contornada”. Cópias foram enviadas à Central de Regulação de Vagas do Estado, aos Bombeiros e ao Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência).

No dia do documento, às 7h, havia 11 pacientes no corredor da sala de gesso, aguardando centro cirúrgico e outros 11 a espera de vaga em CTI (Centro de Terapia Intensiva).

De lá para cá, a situação não mudou, diz a presidente da entidade, Helena Delgado. Na noite de ontem, mais da metade dos 12 pacientes internados na emergência da Santa Casa necessitava de respirador. Sem equipamento disponível, os profissionais de enfermagem faziam a ventilação manual.

O problema não é recente, há muito é denunciado pelos funcionários, mas segundo a presidente do Siems, nunca houve uma condição tão precária, mesmo com a inauguração em março de 15 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) na Santa Casa. Sem mudanças, a entidade não tem dúvidas de que pessoas estão morrendo por falta de estrutura básica.

“É um caos, a demanda é maior que a disponibilidade de leitos na UTI. Isso acaba gerando insegurança, estresse, esgotamento e adoecimento nos profissionais”, afirma Helena.

Ela cita que conferiu dois casos in loco entre sexta e sábado e ontem à noite. No primeiro caso, um adolescente de 16 anos, de Maracaju, chegou à Santa Casa às 19h de sexta-feira e não havia vaga na UTI.

A equipe de enfermagem que veio acompanhando o paciente teve que usar a ventilação manual por mais de 10 horas, em revezamento entre os profissionais. Na madrugada de sábado ele conseguiu vaga no CTI, mas morreu no domingo.

Nessa terça-feira à noite, o paciente Adaucinei Bruno Montezano, de 27 anos, veio de Três Lagoas, onde sofreu acidente de moto. Ele teve traumatismo craniano e necessitava urgentemente de respirador, mas em todo o tempo que ficou no local foi submetido a ventilação manual.

A mãe do rapaz, Devanir Vicente Bruno, de 45 anos, disse ao Campo Grande News que fora o agravante da falta de respirador para o filho, não havia vaga para ele na UTI. “Fica difícil porque lá em Três Lagoas ele tinha vaga, mas não tinha o ventilador. Acho que vou ter que levá-lo embora”, desabafou a empregada doméstica.

Por conta desse pedido, a Central de Regulação tenta a todo custo vagas em hospitais privados para minimizar o problema.

“E se esses pacientes chegarem a morrer dentro das ambulâncias, quem irá responder por isso? Quem garante que o hospital que receber não vai responder até mesmo criminalmente por conta de uma situação de caos”, questiona a presidente do Siems.

Na noite de ontem, depois da chegada do Campo Grande News, dois pacientes foram remanejados para o Hospital El Kadri.

A assessoria da Santa Casa foi procurada, assim como a diretoria executiva, mas nenhum responsável retornou as ligações.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)