Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

19/10/2015 09:40

Saiba por que é difícil acabar com a barriga

Saúde Plena
Saiba por que é difícil acabar com a barriga

 

 

 

 

É sempre assim. No começo, pouca gente se preocupa. E então ela vai ganhando espaço, tomando conta, sorrateiramente. Até que, um belo dia, a pessoa se olha no espelho e bate aquele desespero: “De onde surgiu isso? Preciso acabar com esta barriga. E tem que ser já!”. Você já viu esse filme? Se a resposta for positiva, saiba que não está sozinho. Dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), feita pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada pela primeira vez em agosto deste ano, mostram que 37,7% dos brasileiros têm cintura aumentada, o que pode significar que aquela barriguinha que você notou agora esconde riscos de doenças cardiovasculares e diabetes. O estudo também mostra que 56,9% das pessoas maiores de 18 anos no país pesam mais do que deveriam e 20,8% são consideradas obesas.

Não há mágica capaz de fazer um ser humano emagrecer somente naquele lugar onde está sobrando e o abdome é o local do corpo com mais potencial para acumular gorduras, já que tem uma reserva interna e outra externa nas quais o tecido adiposo pode ser confortavelmente acumulado. Hoje, recomenda-se que a circunferência abdominal não ultrapasse 88cm no caso das mulheres e 102cm nos homens. Por outro lado, a relação entre a cintura e o quadril não deve ser superior a 1% para o sexo masculino e 0,85% para o feminino. Estão com sobrepeso aqueles que têm índice de massa corporal (IMC) igual ou superior a 25.

MOVIMENTE-SE
Para perder barriga, o principal “segredo” é... emagrecer, certo? Portanto, pegue a fita métrica, suba na balança, mire-se no espelho. A cintura está grossa demais, o peso está no limite ou ultrapassou o limite, e o abdome está, digamos assim, mais proeminente do que a ciência e a estética mandam – e do que você gostaria? Saia da frente da TV, movimente-se, vigie sua alimentação. Se você já tentou tudo isso e não conseguiu, prepare-se para outras verdades sobre gordura abdominal. Além do sedentarismo e de uma dieta hipercalórica, fatores genéticos, o gênero e noites maldormidas podem estar alimentando, acumulando gordura nesse local a que os mais velhos chamavam de pança.

Prazeres regrados

Acabar com aqueles quilinhos a mais e que ficam concentrados principalmente na barriga exige sacrifícios e persistência na prática de hábitos saudáveis. Ajuda de especialista é bem-vinda

Acabar com os quilos a mais e aquela barriguinha regada a fatores genéticos ou tira-gosto, massas e outras delícias à base de farinha branca, cerveja, carnes gordurosas e comida processada não é brincadeira. Que o diga o empresário Luiz Fernando Rodrigues dos Santos, de 28 anos, que, desde 2013, vem fazendo o possível e o impossível para ter um abdome “trincado”. Para isso, num prazo de dois anos ele perdeu 40 quilos de gordura e ganhou 20 de massa magra. Depois de emagrecer, sobraram “aquelas dobrinhas na barriga”, o que levou Luiz Fernando a encarar uma abdominoplastia. Assim que foi liberado pelos médicos, o empresário voltou a treinar intensamente para conseguir “definição de alto nível”. São três horas de atividade física ao dia, começando de manhã, pelos exercícios aeróbicos, em jejum. À noite, ele volta a malhar, desta vez com o objetivo de hipertrofiar os músculos. Paralelamente, faz dieta cetogênica, que elimina todos os carboidratos, e reposição hormonal com testosterona.

A cirurgia foi em maio e, depois disso, foram três meses de uma recuperação que o empresário considera “pesada”. Nesse meio tempo, perdeu toda a massa magra e agora vem fazendo a “reconstrução”. Segundo ele, o fundamental é continuar o trabalho que foi feito antes da cirurgia, rumo ao abdome trincado: cortar o álcool, treinar duas vezes ao dia, não abandonar o regime e “viver à base de café e proteína, pois estética e saúde não andam de mãos dadas”. Segundo Luiz Fernando, para conseguir uma definição muscular de nível alto é preciso abandonar o carboidrato. “Aí o seu cérebro para de funcionar, a desidratação é constante, você tem de comer toda hora. Como os treinos são muito intensos e o desgaste dos músculos e dos ossos é grande, é preciso tomar vitamina C para desinflamar”, diz. Mas isso não faz mal para a saúde? “Sim, mas como já disse, não existe a possibilidade de ser saudável e 'definido' ao mesmo tempo. Meu corpo está cada vez melhor e não posso parar”.

Exageros para perder a barriga à parte, de acordo com Maria Isabel Correia, especialista em nutrição parenteral e professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a melhor maneira de combater a gordura abdominal é não engordar. “O abdome só acumula gordura se a balança for para o lado positivo. Ao mesmo tempo, à medida que o tempo passa, é preciso fazer atividade física, porque homens e mulheres perdem massa muscular à medida que a idade avança. Mas uma postura proativa pode mininimizar essas tendências”, alerta. A médica cita como um exemplo hipotético o caso de uma mulher que está na menopausa, começa a ficar deprimida e, por isso, acaba parando de fazer atividade física, comendo mais e, quando engorda, põe a culpa nos hormônios. “Sem dúvida, em certos casos, o fator hormonal é o ativador do aumento da barriga e do peso, mas por trás existem fatores mentais e emocionais que vão colaborar para que isso ocorra. Há mulheres que entram na menopausa e nem sabem”, lembra. 

 

 

 

Saiba por que é difícil acabar com a barriga

 

 

 

ESTÉTICA
Andréia Clélia Raydan, gerente comercial, de 43, também vive a saga de tentar perder a barriga com poucos resultados. Há três anos, ela começou a fazer atividade física por uma questão de saúde, mas agora admite que a malhação virou uma questão de estética. Como sozinha ela não se anima a fazer ginástica, contratou um personal trainning três vezes por semana. “São três anos malhando com o acompanhamento de uma nutricionista. Meu bumbum ficou mais durinho, perdi a celulite nas pernas, meus braços enrijeceram. Mas a barriga, infelizmente, não tem jeito. E olha que faço abdominal pra caramba”, diz.

Quando precisa fazer uma avaliação, a própria profissional de nutrição que acompanha Andréia alerta que a cliente engorda mais na região abdominal. “Sinto-me muito incomodada. A cintura fica mais grossa, a gente vai vestir uma roupinha e se sente mal. Minha alimentação é regulada. Durante a semana ando na linha, mas no fim de semana vem o lixo (doces, sorvetes, batata frita, cachorro-quente)”, justifica.

No Brasil, segundo estudo do IBGE, apenas 37,3% da população consome a quantidade diária adequada de frutas e hortaliças, que são seis porções ao dia. Do outro lado da balança, entre os marcadores de alimentação não saudável estão o consumo regular de refrigerantes, leite integral e carne ou frango com excesso de gordura, hábito de 37,2% dos entrevistados e que tem maior presença entre os homens (47,2%). Os brasileiros que consomem refrigerantes e sucos artificiais em pelo menos cinco dias da semana, hábito que também é mais frequente entre os homens, atinge um quarto da população do país.

Alimentos com excesso de carboidratos refinados, como açúcar, farináceos, amidos e massas, e os industrializados, que são carboidratos altamente processados, também engordam e, consequentemente, mandam a gordura para a barriga. E isso inclui os sucos de fruta batidos no liquidificador. Já os alimentos naturais e os integrais, a exemplo de frutas, legumes, verduras e os produzidos com farinha integral, têm propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias e podem reduzir a gordura na barriga.

Bomba-relógio
Excesso de gordura abdominal é causa de doenças cardiovasculares, metabólicas e do fígado. Causas para o acúmulo de tecido adiposo nessa região vão desde idade e hormônios até estresse e falta de sono

Barriga não é matemática. Ou, pelo menos, não tanto como se imagina. Muitas vezes, somar a prática de atividade física a uma alimentação saudável não resolve o problema. Se fosse apenas uma questão de vaidade, tudo bem. Mas não funciona assim. Por trás da luta contra aquela barriguinha que incomoda e teima em não desaparecer há uma batalha por viver mais e melhor. Especialistas alertam que existe uma boa chance de que aquele abdome avantajado funcione como uma bomba-relógio amarrada na cintura, já que o excesso de gordura abdominal, principalmente aquela que se acumula entre os órgãos, é causa de doenças cardiovasculares, metabólicas e do fígado. As causas para o acúmulo de tecido adiposo nessa região do organismo são várias e vão desde a idade e os hormônios, passando pela genética, estresse e a falta de sono.

O endocrinologista Geraldo Santana, diretor do Instituto Mineiro de Endocrinologia, explica que a primeira coisa que se deve entender sobre a região abdominal é que ela é um lugar preferencial de acúmulo de gordura no organismo. Claro que algumas pessoas têm baixa predisposição para isso, mas quando a pessoa engorda pra valer e tem tendência genética, é certo que ela vai se acumular ali. “Homens têm mais chance de engordar na região do abdome e mulheres no quadril, coxas e bumbum. Ou seja: em certos casos, a culpa por uma pessoa não conseguir eliminar aquela terrível barriguinha está fora de controle, porque ela tem a ver com o gênero ou com a herança familiar. “O sexo conta e os fatores genético e hereditário também”, avisa.

Envelhecer também tem tudo a ver com o diâmetro da cintura. Conforme o tempo passa, muda a maneira como o corpo perde e ganha peso. O metabolismo desacelera e, com ele, o número de calorias que o organismo precisa para se manter vivo diminui. No caso das mulheres, a situação é ainda mais complexa por causa da menopausa. “A queda na produção do hormônio responsável pelas curvas femininas e pela deposição da gordura no quadril, o estrógeno, durante e depois da menopausa vai levar as mulheres a acumularem mais tecido adiposo na região abdominal”, explica o endocrinologista.

Os homens também sofrem com a chegada da idade, já que os níveis de testosterona começam a cair e a barriga a aumentar. O abdome tem dois compartimentos de deposição de gordura, a camada subcutânea e a intravisceral, que fica atrás do músculo abdominal. É essa gordura que causa mais danos à saúde. “É preciso levar em conta o tipo de gordura que a pessoa tem. Se é a do tipo pneuzinho, o problema está mais para a estética. Já a visceral tem relação com doenças”, alerta o endocrinologista.

CORTISOL
Se você está entre os 60% dos brasileiros que têm queixas relativas ao sono, saiba que dormir entre seis e oito horas por dia pode afinar a sua cintura. Geraldo Santana explica que a falta de sono aumenta a produção do cortisol, relacionado ao aumento da gordura abdominal. Noites maldormidas, por outro lado, reduzem a produção do hormônio do crescimento, o GH, responsável por aumentar a massa magra e reduzir a gordura exatamente no lugar onde ela mais incomoda, o abdome. “O GH é produzido durante o sono profundo. Se a pessoa dorme pouco, não produz GH e há o aumento da gordura na barriga”, justifica. O estresse crônico e prolongado, segundo ele, também está diretamente ligado às barriguinhas proeminentes, porque produz o famigerado cortisol, que eleva o nível das células adiposas que engrossam a circunferência abdominal.

 

 

 

Saiba por que é difícil acabar com a barriga

 

 

 

Conjunto de ações

Maria Isabel Correia, especialista em nutrição parenteral e professora da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), concorda que há vários motivos que “ajudam” a barriga a não desaparecer. Ela explica que a melhor maneira de enfrentar as tendências hereditárias de engordar e, no caso específico das mulheres, evitar o acúmulo da gordura abdominal na menopausa, é não engordar. Trabalhar o corpo de maneira incorreta também impede a cintura de afinar.

É o que explica a preparadora física Gabriela de Paula Sales Moreira, de 26 anos. Formada em educação física e dona de uma assessoria esportiva que presta serviços a vários condomínios, ela explica que apenas os exercícios aeróbicos não vão dar conta de eliminar – ou diminuir – a sua barriga. “O exercício aeróbico, a dieta e a musculação precisam caminhar juntos. Morrer de fazer abdominal não adianta nada. Para ter um abdome sarado é preciso seguir esses três passos”, recomenda.

A executiva de contas Simone Pinheiro de Andrade, de 35, tinha uma barriguinha que a incomodava demais. Por isso, há um ano e meio, contratou Gabriela como sua treinadora. De lá para cá, emagreceu 10 quilos e reduziu a circunferência abdominal. “A barriga me incomodava muito. E sou de um biótipo que engorda na barriga, no quadril e nas coxas. Depois que perdi esses quilos, faço atividade física quatro vezes por semana e tento segurar a onda na alimentação. Mas no fim de semana abro uma exceção. Não tenho o objetivo de ser uma 'paniquete'. Quero só ter um corpo legal, magro, definido e com saúde”, explica.

LIMITES
Treinos de alta intensidade também ajudam a banir a gordura do abdome. O objetivo é queimar calorias superando limites e dando o máximo de si. A ideia é queimar mais calorias em menos tempo. A prática regular de exercícios físicos ou esportes nos níveis recomendados, considerada como fator de proteção à saúde, é adotada apenas por 22% dos brasileiros, a maioria homens. Os que não praticam atividades físicas ou praticaram menos de 150 minutos por semana são 46% da população, a maioria mulheres. Por último, um batalhão de 42,3 milhões de pessoas – 28,9% da população adulta –, fica sentado diante da TV por mais de três horas diárias.

 

 

 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)