Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

14/12/2004 15:58

Safra agrícola poderá atingir 134 milhões de toneladas

Agência Câmara

O ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, anunciou nesta terça-feira a nova previsão para a safra agrícola de 2005, que deve registrar novo recorde, podendo atingir 134 milhões de toneladas. O anúncio foi feito no seminário Desenvolvimento do Setor Agropecuário e Inclusão Social que está sendo realizado no auditório Petrônio Portela do Senado.
O crescimento da produção de alguns produtos, no entanto, como algodão, trigo, soja, milho e arroz tem preocupado o governo porque, segundo o ministro, o cenário é de queda de preços. "E isso é um problema relativamente sério porque os custos de produção subiram. Então você tem uma equação difícil para a agricultura brasileira. É preciso deixar muito claro que no agronegócio há produtos com situação positiva e o país não perderá nada".

Política de preço
Roberto Rodrigues disse que o desafio do Governo para o próximo ano será desenvolver uma política de aquisição de produtos que permita regular o preço do mercado. O ministro pediu que seja aprovada uma emenda de R$ 2 bilhões para o Orçamento de 2005 com essa finalidade. Ele explicou que os custos da produção agrícola aumentaram, em média, 13%, enquanto os preços caíram 20%. "O Governo não vai permitir que a renda agrícola despenque em 2005", assegurou o ministro.
Para o presidente da Comissão de Agricultura da Câmara, deputado Leonardo Vilela (PP-GO), a emenda vai favorecer o produtor rural. "Vai sinalizar para o mercado que o governo tem instrumentos para garantir preços e diminuir o processo especulativo e a subtração de renda do trabalhador".

Porto de Paranaguá
O ministro listou as dificuldades que o setor enfrenta no País e, entre elas, citou a precariedade das instalações de armazenagem e de transporte. Leonardo Vilela informou que deve entregar amanhã ao Ministério dos Transportes um parecer sobre a vistoria feita por um grupo de parlamentares no porto de Paranaguá, no Paraná. Vilela, que liderou a comitiva, disse que foram encontradas 38 irregularidades.

Gargalos
Roberto Rodrigues enumerou os desafios da agricultura brasileira a médio e longo prazos. São sete os "gargalos" identificados pelo ministro. O primeiro diz respeito à dificuldade de se conseguir crédito para o financiamento da produção e pesquisa. O segundo desafio é garantir a defesa sanitária, onde fica o controle de doenças como a febre aftosa, que atinge o rebanho bovino e suíno. "Temos que eliminar a doença no continente, senão teremos sempre uma espada na cabeça", disse Roberto Rodrigues.

Biossegurança e Parcerias
Os desafios seguintes listados pelo ministro foram a aprovação da Lei de Biossegurança (PL 2401/03) - que está em análise na Câmara - e a melhoria da infra-estrutura e logística do setor, que inclui armazenagem e transporte da produção. O ministro acredita que esse problema seja solucionado, em parte, com a aprovação do projeto das Parceiras Público-Privadas (PL 2546/03),que está em análise no Senado Federal.

"Pororoca" na agricultura
Os três últimos "gargalos" seriam a organização das cadeias produtivas; a aprovação de marcos legais, como uma legislação ambiental e sobre direito de propriedade; e as negociações internacionais. Falando sobre esse desafio, Roberto Rodrigues disse que o Governo teme que ocorra "uma pororoca" na agricultura, que seria uma crise ocasionada pelo excesso de oferta e falta de mercado consumidor. "Não basta aumentar a produção se não tivermos mercado", alertou o ministro.

Agricultura e pastagens
No Brasil, 62 milhões de hectares são agricultáveis e 200 milhões são pastagens. O ministro, no entanto, explicou que cada vez precisa-se de menos terra para a pecuária. Por isso, nos próximos 15 anos, há expectativa de que 30 milhões de hectares hoje usados como pastagem passem a ser destinados à agricultura. Roberto Rodrigues advertiu que não se pode separar o agronegócio da agricultura familiar. "É preciso acabar com a tentativa de se por uns contra os outros", disse o ministro, em uma referência velada ao conflito entre sem-terra e fazendeiros

Superávit
A agricultura, segundo o minsitro, é o único setor da economia brasileira superavitário e é responsável por 42% das exportações brasileiras. Os produtos mais relevantes na pauta de exportação brasileira são o café, o suco de laranja, a soja, a carne, o açúcar e o tabaco.
O seminário Desenvolvimento do Setor Agropecuário e Inclusão Social, realizado pelas Comissões de Agricultura e Relações Exteriores da Câmara, além de outros órgãos, continua agora à tarde, no auditório Petrônio Portela do Senado.



Reportagem - Sílvia Mugnatto
Edição - Ana Felícia

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)