Cassilândia, Segunda-feira, 29 de Maio de 2017

Últimas Notícias

02/02/2007 18:09

Ruas do centro de Campo Grande encobertas pela água

Humberto Marques e Sandra Luz/Campo Grande News
Funcionários de empresas na Fernando Corrêa da Costa ajudaram a socorrer peixesMinamar JuniorFuncionários de empresas na Fernando Corrêa da Costa ajudaram a socorrer peixesMinamar Junior

A forte chuva que atingiu Campo Grande entre as 15h e 16h desta sexta-feira (2 de fevereiro) causou transtornos como há muito tempo não se presenciava na região central da cidade. Diversas ruas e estabelecimentos comerciais na região das avenidas Fernando Corrêa da Costa, Afonso Pena e Mato Grosso foram encobertos pela enxurrada, causando prejuízos a empresários e proprietários de veículos. A Defesa Civil da Capital mobilizou 120 pessoas para efetuar o levantamento dos estragos no município e auxiliar em ações como o ordenamento do trânsito, conforme explicou ao Campo Grande News o gerente do órgão, Sebastião Otávio Rayol.

Mesmo os locais que já presenciavam com certa freqüência os alagamentos visualizaram cenas impressionantes durante o temporal. No cruzamento da avenida Afonso Pena com a rua dr. Paulo Machado (antiga rua Furnas), ao lado do Shopping Campo Grande, a água chegou a 1,20 metro de altura, conforme relatou a tenente Helena Ribeiro, do Corpo de Bombeiros. “Foi a primeira vez que alagou desse jeito aqui”, ressaltou.

A observação foi confirmada por Flávio Fabrão Moraes, gerente do escritório da Plaenge que funciona no cruzamento. O imóvel foi inundado, e, conforme o profissional, “tivemos de trabalhar dentro da água”, informou. As perdas também incluem um automóvel Fiat Palio (placas AKX-9279), pertencente à empresa e que foi arrastado pela enxurrada. Acredita-se que o dano ao automóvel foi total. O mesmo vale para outros dois veículos que estavam estacionados na dr. Paulo Machado, e que “boiaram” durante o temporal.

Na Via Parque, que acompanha o córrego Sóter entre as avenidas Afonso Pena e Mato Grosso, a cena também chamava a atenção: a via ficou submersa, devido à cheia do córrego, praticamente impedindo o tráfego. Mesmo veículos como caminhonetes e caminhões, que encararam o desafio de seguir pela rua, enfrentaram dificuldades para seguir no trajeto. Na Mato Grosso e na Afonso Pena, congestionamentos levaram alguns motoristas a invadirem os canteiros centrais para avançar.

O córrego Prosa chegou a transbordar em alguns trechos da avenida Fernando Corrêa da Costa, onde a água invadiu estabelecimentos comerciais e, quando a chuva diminuiu, levou os funcionários a cuidarem da limpeza e do “resgate” de peixes que ficaram presos nas telas de contenção.

“É sempre assim. Quando chove e o córrego transborda, o pessoal corre para jogar os peixes de novo na água”, afirmou Gilberto Fernandes, funcionário de uma garagem próxima ao cruzamento da avenida com a rua José Antônio. No cruzamento da Fernando Corrêa com a rua Sebastião Lima, a água cobriu totalmente a calçada próximo a um posto de combustíveis. Mais à frente, na avenida Ernesto Geisel, o buraco causado pela destruição de parte da canalização aumentou.

Alagamentos não foram uma exclusividade da região central. Dados do Corpo de Bombeiros apontam que, entre as 15h e as 15h45, pelo menos 16 notificações referentes a enxurradas e acúmulo de água em residências chegaram ao Ciops (Centro Integrado de Operações e Segurança). Os problemas espalharam-se pela cidade: desde as regiões da vila Margarida, Nhá-Nhá, Santa Fé, Otávio Pécora e Monte Castelo até o bairro Tiradentes e as Moreninhas, houve reclamações de moradores. A escola Arnaldo Rodrigues, no bairro Arnaldo Estevão de Figueiredo, também registrou danos estruturais com a chuva.

Velocidade – O coordenador da Defesa Civil de Campo Grande, Rodolfo Vaz de Carvalho, vê não apenas no excesso de chuva a origem dos problemas na cidade. Segundo ele, a velocidade com a qual as chuvas fortes têm se sucedido no município preocupa. “Uma coisa é você ter uma chuva de 60 milímetros em dois dias. Outra é ter a mesma quantidade em duas horas. Não há tempo para escoar”, disse.

Carvalho aponta que Campo Grande possui uma capacidade razoável para escoamento de águas pluviais. No entanto, com a quantidade de chuvas, o solo acaba encharcado, reduzindo a possibilidade de absorção natural de água. O problema torna-se mais evidente em regiões asfaltadas, onde o solo possui menor capacidade de escoar a água naturalmente.

“Não há muito o que fazer em relação às forças da natureza. Temos estrutura para reagir e prevenir, mas quando ocorre algo fora do padrão, a situação é complicada. Isso não é uma exclusividade de Campo Grande. As chuvas ocorrem em todo o País, e mesmo em países desenvolvidos há problemas”, ponderou. Diante da situação, o que é possível se fazer é colocar o “time” na rua, com a Defesa Civil efetuando monitoramentos constantes.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 29 de Maio de 2017
Domingo, 28 de Maio de 2017
Sábado, 27 de Maio de 2017
10:00
Receita do Dia
Sexta, 26 de Maio de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)