Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

02/02/2007 18:09

Ruas do centro de Campo Grande encobertas pela água

Humberto Marques e Sandra Luz/Campo Grande News
Funcionários de empresas na Fernando Corrêa da Costa ajudaram a socorrer peixesMinamar JuniorFuncionários de empresas na Fernando Corrêa da Costa ajudaram a socorrer peixesMinamar Junior

A forte chuva que atingiu Campo Grande entre as 15h e 16h desta sexta-feira (2 de fevereiro) causou transtornos como há muito tempo não se presenciava na região central da cidade. Diversas ruas e estabelecimentos comerciais na região das avenidas Fernando Corrêa da Costa, Afonso Pena e Mato Grosso foram encobertos pela enxurrada, causando prejuízos a empresários e proprietários de veículos. A Defesa Civil da Capital mobilizou 120 pessoas para efetuar o levantamento dos estragos no município e auxiliar em ações como o ordenamento do trânsito, conforme explicou ao Campo Grande News o gerente do órgão, Sebastião Otávio Rayol.

Mesmo os locais que já presenciavam com certa freqüência os alagamentos visualizaram cenas impressionantes durante o temporal. No cruzamento da avenida Afonso Pena com a rua dr. Paulo Machado (antiga rua Furnas), ao lado do Shopping Campo Grande, a água chegou a 1,20 metro de altura, conforme relatou a tenente Helena Ribeiro, do Corpo de Bombeiros. “Foi a primeira vez que alagou desse jeito aqui”, ressaltou.

A observação foi confirmada por Flávio Fabrão Moraes, gerente do escritório da Plaenge que funciona no cruzamento. O imóvel foi inundado, e, conforme o profissional, “tivemos de trabalhar dentro da água”, informou. As perdas também incluem um automóvel Fiat Palio (placas AKX-9279), pertencente à empresa e que foi arrastado pela enxurrada. Acredita-se que o dano ao automóvel foi total. O mesmo vale para outros dois veículos que estavam estacionados na dr. Paulo Machado, e que “boiaram” durante o temporal.

Na Via Parque, que acompanha o córrego Sóter entre as avenidas Afonso Pena e Mato Grosso, a cena também chamava a atenção: a via ficou submersa, devido à cheia do córrego, praticamente impedindo o tráfego. Mesmo veículos como caminhonetes e caminhões, que encararam o desafio de seguir pela rua, enfrentaram dificuldades para seguir no trajeto. Na Mato Grosso e na Afonso Pena, congestionamentos levaram alguns motoristas a invadirem os canteiros centrais para avançar.

O córrego Prosa chegou a transbordar em alguns trechos da avenida Fernando Corrêa da Costa, onde a água invadiu estabelecimentos comerciais e, quando a chuva diminuiu, levou os funcionários a cuidarem da limpeza e do “resgate” de peixes que ficaram presos nas telas de contenção.

“É sempre assim. Quando chove e o córrego transborda, o pessoal corre para jogar os peixes de novo na água”, afirmou Gilberto Fernandes, funcionário de uma garagem próxima ao cruzamento da avenida com a rua José Antônio. No cruzamento da Fernando Corrêa com a rua Sebastião Lima, a água cobriu totalmente a calçada próximo a um posto de combustíveis. Mais à frente, na avenida Ernesto Geisel, o buraco causado pela destruição de parte da canalização aumentou.

Alagamentos não foram uma exclusividade da região central. Dados do Corpo de Bombeiros apontam que, entre as 15h e as 15h45, pelo menos 16 notificações referentes a enxurradas e acúmulo de água em residências chegaram ao Ciops (Centro Integrado de Operações e Segurança). Os problemas espalharam-se pela cidade: desde as regiões da vila Margarida, Nhá-Nhá, Santa Fé, Otávio Pécora e Monte Castelo até o bairro Tiradentes e as Moreninhas, houve reclamações de moradores. A escola Arnaldo Rodrigues, no bairro Arnaldo Estevão de Figueiredo, também registrou danos estruturais com a chuva.

Velocidade – O coordenador da Defesa Civil de Campo Grande, Rodolfo Vaz de Carvalho, vê não apenas no excesso de chuva a origem dos problemas na cidade. Segundo ele, a velocidade com a qual as chuvas fortes têm se sucedido no município preocupa. “Uma coisa é você ter uma chuva de 60 milímetros em dois dias. Outra é ter a mesma quantidade em duas horas. Não há tempo para escoar”, disse.

Carvalho aponta que Campo Grande possui uma capacidade razoável para escoamento de águas pluviais. No entanto, com a quantidade de chuvas, o solo acaba encharcado, reduzindo a possibilidade de absorção natural de água. O problema torna-se mais evidente em regiões asfaltadas, onde o solo possui menor capacidade de escoar a água naturalmente.

“Não há muito o que fazer em relação às forças da natureza. Temos estrutura para reagir e prevenir, mas quando ocorre algo fora do padrão, a situação é complicada. Isso não é uma exclusividade de Campo Grande. As chuvas ocorrem em todo o País, e mesmo em países desenvolvidos há problemas”, ponderou. Diante da situação, o que é possível se fazer é colocar o “time” na rua, com a Defesa Civil efetuando monitoramentos constantes.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)