Cassilândia, Sábado, 23 de Junho de 2018

Últimas Notícias

24/08/2005 08:19

Resumo do depoimento do ex-presidente do Banco Popular

Agência Senado/Agência Câmara

O ex-presidente do Banco Popular do Brasil, Ivan Guimarães, afirmou, em depoimento à CPI dos Correios, que os gastos da instituição com publicidade, cerca de R$ 29 milhões em 2004, foram normais e necessários. A agência responsável pela publicidade do Banco Popular é a DNA, de Marcos Valério Fernandes de Souza, acusado de ser o operador do "mensalão".

- Estávamos começando. Os gastos com marketing eram necessários, porque precisávamos construir uma marca, como é típico de uma empresa em nascimento - disse.

Guimarães explicou que não foi realizado processo licitatório para contratar a DNA porque o Banco Popular se utilizou de toda a estrutura do Banco do Brasil, e a agência de Marcos Valério já havia vencido uma licitação no BB. Os serviços incluem propaganda em TV, rádio e anúncios em ônibus.

Ele atribuiu aos investimentos em publicidade o fato de o número de clientes do banco ter crescido de forma expressiva no final do ano passado, mas admitiu que o Banco Popular se serviu do cadastro da rede varejista Marabraz, informando que essa é uma operação comum no mercado financeiro.

Ivan Guimarães, que é filiado ao PT e participou da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência como captador de recursos, admitiu conhecer o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, mas negou que tenha sido indicado ao cargo por ele.

- Cheguei onde cheguei pela minha experiência na área - afirmou.

Questionado sobre os motivos que o levaram a pedir seu afastamento, Guimarães sustentou que se sentiu desconfortável após a imprensa noticiar que o PT estaria utilizando cargos no governo para fins políticos. Ele informou ainda que pretende deixar o partido.

O ex-presidente também confirmou que é proprietário de um apartamento que o advogado e sócio de Marcos Valério, Rogério Tolentino, comprou da ex-mulher do deputado e ex-ministro José Dirceu (PT-SP), a psicóloga Maria Ângela da Silva Saragoça. Afirmou, no entanto, que desconhecia a procedência do imóvel.

Segundo Guimarães, a grande razão de ser do Banco Popular é "trazer a população não bancalizada para o sistema financeiro".

- A população tinha uma visão muito negativa dos bancos, mas queria ter acesso aos serviços. Essa é a função das microfinanças - explicou.

Ele também considerou dentro da normalidade o fato de os números da empresa, que foi implantada em 2003, não serem positivos, alegando que os bons resultados só são esperados a partir de 2006. De acordo com informações da imprensa, os gastos com marketing do Banco Popular superam o valor emprestado à população carente, que gira em torno de R$ 20 milhões. (Agência Senado)

Depoente ganha R$ 36 mil como conselheiro indicado pelo BB
O ex-presidente do Banco Popular do Brasil Ivan Guimarães informou na CPMI dos Correios que, após deixar o cargo em abril devido ao interesse do PT em “realocar seus quadros”, passou a ganhar R$ 36 mil como conselheiro indicado pelo Banco do Brasil a três grandes empresas: a Kepler, onde recebe R$ 8 mil; a Belgo-Mineira, que lhe paga R$ 10 mil; e a Bombril, que está sob intervenção judicial e lhe dá R$ 18 mil por mês.

Prejuízo de R$ 60 milhões
Em resposta ao deputado Pompeo de Mattos (PDT-RS), Guimarães admitiu que o Banco Popular teve prejuízo de R$ 60 milhões em seu primeiro ano de operação. (Agência Câmara)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 23 de Junho de 2018
Sexta, 22 de Junho de 2018
09:00
Santo do dia
Quinta, 21 de Junho de 2018
09:00
Santo do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)