Cassilândia, Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

Últimas Notícias

17/08/2017 10:40

Ressurge proposta de financiamento empresarial na eleição

Midiamax

O impasse sobre a criação de um fundo público, no valor de 3,6 bilhões de reais, para financiar candidatos nas eleições de 2018 fez ressurgir uma articulação de parlamentares para discutir a volta do financiamento das campanhas por empresa. 

A discussão do retorno do financiamento empresarial voltou a ganhar corpo após as críticas sobre a criação do fundo público para financiar campanhas, em meio à grave crise fiscal por que o país passa. Apesar de não haver acordo, a Câmara tentará votar a partir desta quarta-feira a criação do fundo público.

Mesmo com o fundo em vias de ser votado, há parlamentares dispostos a levar adiante o debate sobre a volta do financiamento empresarial apesar da crise deflagrada pela operação Lava Jato, que escancarou um megaesquema de corrupção e lavagem de dinheiro a partir desse tipo de doações.

Esse tipo de custeio das campanhas foi declarado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em setembro de 2015. Pouco depois, a então presidente Dilma Rousseff vetou artigo de lei aprovada pelo Congresso que previa o financiamento empresarial.

A eleição municipal de 2016 já ocorreu sobre as regras do financiamento exclusivo de campanhas por pessoas físicas.

Uma das frentes discutidas, segundo deputados e senadores ouvidos pela Reuters, é aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que garante o custeio da corrida eleitoral por pessoas jurídicas. Há uma proposta mais avançada que já passou pela Câmara e está pronta para ir à votação no plenário do Senado. Se for aprovada, ela vai à promulgação e poderá valer já para as próximas eleições.

Um dos entusiastas do retorno da contribuição das empresas é o deputado Beto Mansur (PRB-SP), um dos vice-líderes do governo na Câmara. Ele defende que a volta do financiamento de pessoas jurídicas torna a disputa eleitoral transparente, por se saber de antemão quem vai custear a campanha de determinado candidato.

O presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), tem sido pressionado nos bastidores a colocar em pauta a PEC que reestabelece esse tipo de doação. Embora haja dúvidas sobre a legalidade do seu retorno, a avaliação de parlamentares é que somente uma emenda constitucional poderia validar novamente essa contribuição de campanha.

A senadores, Eunício Oliveira já adiantou que não vai colocar em pauta a PEC por conta própria, exceto se houver um requerimento dos líderes partidários do Senado pedindo a inclusão da matéria para votação no plenário.

Eunício defende que um fundo de inanciamento público deve ser abastecido com uso de recursos orçamentários já existentes, como emendas de bancada e de fatia de recursos destinados a fundações dos partidos políticos.

De público, entretanto, até o momento têm sido raros os defensores do retorno do financiamento de empresas.

Na terça-feira, um grupo de dirigentes partidários discutia no Senado mudanças nas regras eleitorais. Em conversa presenciada pela Reuters, o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (PMDB-RR), defendeu ao presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), e a outros políticos que se faça uma consulta à população sobre o retorno da doação empresarial das campanhas.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 25 de Fevereiro de 2018
Sábado, 24 de Fevereiro de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)