Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

19/08/2013 14:37

Representante do movimento explica ocupação no Estrela do Vale

Bruna Girotto

Patrícia, solteira, tem dois filhos. Ela é bolsista no ProUni e está no 3º ano de Administração da FIC.

Em entrevista ao programa Rotativa no Ar, ela explicou o movimento de 92 famílias cassilandenses no bairro Estrela do Vale. Uma liminar da justiça cassilandense suspendeu a construção de casas na área, que segundo o município, foi invadida pelos manifestantes. 

Ela discorda: "Não foi uma invasão. Muitas pessoas que ficaram sabendo do assunto, estão nos vendo como vagabundos. Nós fizemos uma apropriação. Nós entramos na área de um município que tem um projeto habitacional, e fizemos a edificação de algumas casas".

"O movimento agregou outras pessoas que estão a favor da gente. As 92 famílias que estão ali, precisam. Têm carteira assinada, todos são trabalhadores, todos não têm um lar para morar. O prefeito tem incentivado a vinda de indústrias, tem dado a isenção de impostos, cedido terreno para empresas. A gente quer que eles cedam o terreno. Porque muitas famílias não conseguem financiar pela Caixa Econômica", explicou.

Ela contou que recebe R$700 reais. "Se for pagar um aluguel de E#350, como vou manter meu nome sem restrição, como vou dar direito a moradia, saúde e educação, se não porto recurso suficiente para esta finalidade?", questionou.

"Queríamos que ele fizesse um acordo com a gente. Somente o prefeito. Judicialmente, estamos sob uma liminar para parar as construções, para não entrar mais no local. O Município tem de entrar contra isso. A gente vê tanta coisa ilegal. Nesta avenida Presidente Dutra, quanta caçamba ocupa ilegalmente áreas", reclamou.

Dentre os ocupantes, Patrícia disse: "Tem senhora de 80 anos passando fome, precisando de leite. Entre essas pessoas que estão lá, fizemos 'vaquinha' para comprar leite. Tem mulher com 10 filhos".

"Estamos instalados com 92 famílias, estamos com uma liminar de reintegração de posse. Todas as famílias realmente precisam. Estamos lutando por uma coisa que temos direito: educação, saúde e moradia. Infelizmente, os nossos direitos são limitados aqui em Cassilândia", reclamou. 

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)