Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

07/04/2006 23:13

Renan considerou injusta critica de Lula

Agência Senado

O presidente do Senado, Renan Calheiros, considerou injusta a crítica que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez ao Congresso pelo atraso na votação do Orçamento de 2006, lembrando que a crise política do governo só não se transformou em uma crise institucional graças exatamente ao trabalho do Congresso.

- É injusto, muito injusto, acusar o Congresso Nacional num momento como este, em que ele está fazendo a sua parte - sustentou Renan, durante discussão no Plenário do Senado, na tarde da última quarta-feira (5).

Renan Calheiros ponderou que o Congresso funcionou e cumpriu sua missão, mesmo com o trabalho simultâneo de três CPIs.

A declaração do presidente do Senado foi feitaem meio a um intenso debate dos senadores sobre as declarações do presidente Lula, quando o presidente da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização, senador Gilberto Mestrinho (PMDB-AM), fez um relato do que ocorreu nos últimos meses na tramitação do orçamento. Mestrinho acusou o governo de ter enviado ao Congresso um projeto onde faltavam mais de R$ 14 bilhões. Esse "buraco" no orçamento foi uma das causas do atraso na votação.

Mestrinho sustentou que o presidente Lula está "mal informado" sobre o orçamento, registrando que o governo tem maioria parlamentar na comissão, mas não houve o devido empenho de seus líderes para que a votação ocorresse de forma mais rápida. Lembrou que, num dia de debate acirrado na comissão, partiu de um líder governista um pedido de verificação de quórum, com a finalidade de impedir a votação do projeto orçamentário.

- Isso é o máximo em ilegalidade política - afirmou.

O senador Renan Calheiros defendeu mudanças na legislação que trata do orçamento para que o presidente da República não continue com total poder de contingenciar os gastos da lei orçamentária. Ele defendeu o não contingenciamento dos projetos de infra-estrutura e lembrou que, apesar de um excesso de arrecadação de R$ 20 bilhões em 2005, o governo federal só liberou 30% dos investimentos previstos na lei orçamentária.

Ainda de acordo com o presidente do Senado, o Congresso passa meses discutindo o orçamento e, "depois de todo este esforço, o governo contingência tudo e fica com o arbítrio de liberar o que entende ser necessário liberar".

- Sinceramente, isso não pode acontecer, pois ocorre em detrimento da competência do Poder Legislativo - afirmou.

A manifestação do presidente do Senado sobre a declaração do presidente Lula recebeu o apoio de vários senadores. Edison Lobão (PFL-MA) lembrou que a grande quantidade de medidas provisórias assinadas pelo presidente da República obstrui as votações do Congresso. Osmar Dias (PDT-PR) reconheceu o esforço de Renan Calheiros para que o Senado continuasse votando mesmo com a crise política.

O senador José Sarney (PMDB-AP) disse compreender a angústia de Renan Calheiros sobre o andamento dos trabalhos da Casa e sugeriu aos líderes partidários que, acima de suas divergências, recomendem a votação de matérias de interesse do país. Por sua vez, Romeu Tuma (PFL-SP) disse que o presidente do Senado vem sendo "o ponto de equilíbrio" no caso das CPIs do Congresso, mas pediu que o presidente Lula identifique "quem são os responsáveis pela falta de votação do orçamento".

Eli Teixeira / Repórter da Agência Senado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)