Cassilândia, Quinta-feira, 01 de Outubro de 2020

Últimas Notícias

03/09/2003 08:22

Relatório da Reforma Tributária foi até a madrugada

Agência Brasil

A determinação do governo de votar nesta quarta-feira, com ou sem acordo, a proposta de reforma tributária está sendo cumprida a risca pelos líderes dos partidos governistas. O relator Virgílio Guimarães passou a madrugada trabalhando para consolidar um texto que possa ser aprovado no plenário da Câmara. “A solução dos pleitos (governadores, prefeitos, empresários e sindicalistas) será equilibrada. Vamos aperfeiçoar mais a reforma estabelecendo dispositivos que impeçam o aumento da carga tributária”, afirmou.

Durante todo o dia de ontem, os líderes governistas trabalharam para chegar a um texto capaz de ser votado hoje. No início da manhã de ontem, o ministro-chefe da Presidência da República, José Dirceu, mostrou qual seria a disposição do governo no processo de negociação da reforma tributária: "O ideal é com acordo, mas se não houver acordo nós vamos a voto, porque a essência da democracia é o voto. E a Câmara e o Senado são as casas do povo". Coube ao presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), conduzir as negociações com empresários, sindicalistas, governadores e prefeitos.

Para garantir a votação da reforma tributária o presidente Luiz Inácio Lula da Silva revogou a medida provisória que definia o quadro de pessoal da Agência Nacional de Águas (ANA). A MP obstruía a pauta da Câmara e era um entrave para as intenções do governo de votar a reforma tributária nesta quarta-feira. É a primeira vez que o Executivo revoga uma medida provisória para possibilitar a votação de outra matéria. Com a pauta destrancada teve início, a discussão da PEC abrindo caminho para sua votação.

À noite, os líderes da base aliada reuniram-se com o relator Virgílio Guimarães para acertarem um novo texto com base nas reivindicações colhidas durante os encontros com governadores, prefeitos, empresários e sindicalistas. Segundo o relator, a proposta que será levada, hoje, às 9 horas( horário oficial Brasília), ao Colégio de Líderes, para aprovação, vai contemplar os seguintes pontos:

1) ICMS – teto de 25%; transição de 11 anos; cinco alíquotas; transição de três a quatro anos para alíquotas superiores a 25% com a possibilidade de os estados definirem até quatro produtos com alíquotas acima do teto estabelecido.

2) CPMF – continua como contribuição provisória por quatro anos; alíquotas mínima e máxima de 0,08% e 0,38%, respectivamente.

3) CIDE – Não constará da reforma tributária. Deve ser regulamentada por medida provisória após a aprovação da reforma tributária. A partilha negociada prevê 75% dos recursos para a União, 20% para os estados e 5% para os municípios.

4) ITR – A arrecadação é exclusiva dos municípios.

5) Cesta Básica – Possibilita a isenção de impostos sobre os produtos.

6) Imposto sobre herança – será progressivo com alíquotas máximas de 12% ou 15%. Este percentual ainda será definido pelo relator que tende a fixá-la em 12%.

7) Fundo de Exportações – o texto não define percentuais, nem fontes que vão financiar a compensação aos estados por perdas nas exportações.

8) Fundo de Desenvolvimento Regional – o texto destina 2% da arrecadação total do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e do Imposto de Renda (IR) para as regiões incentivadas. O objetivo é concentrar os recursos nas regiões norte, nordeste e centro-oeste.

9) Medicamentos de uso contínuo – estarão isentos de impostos.

10) Pasep – Continua como está. Não atende os pleitos dos governadores e prefeitos que queriam o fim do recolhimento, à União, de 1% de suas receitas correntes líquidas.

11) Desoneração gradual da folha de pagamentos – será incluída no texto atendendo a reivindicação das centrais sindicais.

12) IPVA – o relator deve retirar do texto a cobrança do imposto sobre aeronaves e embarcações. (Iolando Lourenço / Marcos Chagas)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 30 de Setembro de 2020
17:50
Ituiutaba, Minas Gerais: confira o boletim coronavírus desta quarta-feira
11:00
Corrida/Nutrição/Fitness
Terça, 29 de Setembro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)