Cassilândia, Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

12/10/2016 14:00

Relator antecipa pontos que serão mantidos em projeto anticorrupção

Agência Câmara

 

O relator da comissão especial que analisa medidas de combate à corrupção (PL 4850/16), deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), fez um balanço parcial dos pontos que vão constar do parecer final, a ser divulgado em novembro. Esses pontos foram apresentados nesta terça-feira (11), em audiência pública da comissão.

Lorenzoni adiantou que vai acatar a transformação da corrupção em crime hediondo, a agilização da tramitação das ações de improbidade administrativa, a criminalização do enriquecimento ilícito de agentes públicos e a criminalização do caixa dois em campanhas eleitorais.

Outras propostas ainda estão sendo aperfeiçoadas, como as que tratam do uso de provas ilícitas, do teste de integridade para os servidores públicos e das restrições aos recursos judiciais protelatórios. "Estamos quebrando a cabeça com a nossa consultoria exatamente para poder encontrar o ponto adequado. Os direitos e garantias individuais são intocáveis", disse Lorenzoni.

Habeas corpus
A proposta original do Ministério Público previa limites à concessão de habeas corpus, mas, em defesa de um instrumento que classifica de "salvaguarda constitucional histórica", o relator disse que fará alterações legais apenas para discipliná-lo nas instâncias judiciais.

Lorenzoni disse também que um projeto de lei do deputado Rubens Bueno (PPS-PR) é uma alternativa para a proposta original de prisão preventiva para assegurar a devolução de dinheiro desviado. "Ele [Bueno] nos oferece a alternativa da interrupção do prazo prescricional, enquanto não se quita [o desvio]. Ou seja, entregar onde está o dinheiro ou o desvio ou fazer a quitação. Esse talvez seja um caminho, porque a prisão preventiva não encontra guarida [constitucional] e, muito provavelmente, o Supremo Tribunal Federal a derrubaria. Estamos achando uma forma de obter o mesmo resultado", disse o relator.

Marketing anticorrupção
Também por risco de inconstitucionalidade, Lorenzoni descarta a hipótese de reserva de 10% a 20% dos recursos de publicidade de União, estados e municípios para ações e programas de marketing anticorrupção.

Em contrapartida, o deputado pediu à Consultoria da Câmara um estudo sobre a criação de um fundo nacional de combate à corrupção. O relator também decidiu acatar algumas das sugestões das dezenas de convidados que vêm depondo na comissão especial desde julho. "Nós precisamos melhorar o que veio de bom para cá, mas não existe nada ‘imexível’ no momento em que se chega ao debate parlamentar profundo, com 84 depoentes. E aqui passaram todas as correntes das mais variadas linhas jurídicas", declarou o relator.

Entre as sugestões acatadas, está a adoção da figura do "reportante", permitindo ao cidadão relatar atos de corrupção ou fatos a serem fiscalizados por órgão público. A figura do reportante surgiu de sugestão apresentada pela Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro e Recuperação de Ativos (ENCCLA).

Outras medidas
Para agilizar a Justiça, Lorenzoni pretende autorizar mecanismos de acordo entre defesa e acusação antes da fixação da pena. O deputado avalia que a medida reduziria o atual volume de trabalho judicial em 30%.

O relator disse que as medidas anticorrupção serão pautadas pelo binômio "transparência e integridade". A prisão após segunda condenação judicial, apesar de já aprovada pelo Supremo, também constará das medidas anticorrupção.

Lorenzoni concordou ainda com a proposta do Ministério Público de acabar com o instituto da prescrição retroativa. "Vamos analisar com muito critério as questões que envolvem a prescrição penal", declarou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 23 de Fevereiro de 2017
Quarta, 22 de Fevereiro de 2017
13:30
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Terça, 21 de Fevereiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)