Cassilândia, Segunda-feira, 20 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

04/10/2009 11:39

Relação de franquia não comporta subordinação

Flávio Rodrigues - Conjur

Relação de franquia não comporta subordinaçãoPor Flávio RodriguesPor entender que a relação exsitente não era de franqueador e franqueado, mas, sim, de patrão e empregado, a Justiça do Trabalho condenou a indústria de colchões Ortobom ao pagamento de verbas rescisórias a um suposto “ex-franqueado”. A decisão do juiz Renato de Moraes Anderson, da 8ª Vara do Trabalho de Cuiabá (MT) é do dia 26 de agosto. Cabe recurso.

Rafael Anisio de Castro Lima, vendedor, passou a administrar uma franquia de colchões da marca Ortobom, adquirida de terceiro. A aquisição foi motivada por um antigo gerente de loja (de mesma especialidade) onde Rafael trabalhou. A franquia foi entregue, ao autor, reformada pela Ortobom. Ao assumir a loja, em janeiro de 2008, Castro Lima percebeu que a ingerência da indústria ultrapassava a relação empresa-franquia.

De acordo com os auto,s a Ortobom impunha ao “franqueado” treinamento (e avaliação) prévia do vendedor que era contratado pela loja; subtraia porcentagem das comissões por vendas para pagamento do aluguel do local, independentemente do valor da vendas; controlava, por meio de planilhas que deveriam ser apresentadas ao fim do dia, as vendas e recebimentos; exigia o cadastro dos clientes, com todos os dados e para todos os fins (cobrança, constatação de satisfação, etc.); fiscalizava o modus operandi do “parceiro franqueado”. Rogério Caporossi e Silva, advogado de Lima, ajuizou ação contra a Ortobom exigindo direitos trabalhistas sob a alegação de que a relação entre ele e a fábrica era de emprego e não empresarial.

Em seu voto, o juiz Moraes Anderson afirmou que “não havia liberdade. Havia subordinação”. Declarou ainda que “restou evidente a pessoalidade na prestação de serviços, este elemento denunciado desde o tempo em que o autor era formalmente empregado da empresa [anterior à “franquia”] e que não teve mudança de "presença", já que tinha que se reportar diariamente à ré, em loja fornecida pela empresa e por esta reformada (...)”.

Na sentença, o juiz determinou a concessão ao trabalhador os benefícios da Justiça gratuita e condenou a ré a pagar: aviso prévio; férias mais 1/3 de férias; décimo-terceiro salário; FGTS mais multa de 40% por dispensa sem justa causa; devolução de cheques (que haviam sidos descontados do autor).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 20 de Novembro de 2017
Domingo, 19 de Novembro de 2017
11:00
Mundo Fitness
Sábado, 18 de Novembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sexta, 17 de Novembro de 2017
19:49
Cassilândia
10:28
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)