Cassilândia, Domingo, 20 de Maio de 2018

Últimas Notícias

24/09/2015 15:00

Reintegração de posse na segunda maior ocupação vertical é suspensa

Agência Brasil

 

A reintegração de posse da ocupação Prestes Maia, marcada para sábado (26), e posteriormente adiada para o próximo dia 3, foi suspensa por tempo indeterminado pela Justiça. O edifício é a segunda maior ocupação vertical da América Latina, e abriga 378 famílias na Avenida Prestes Maia, 911, região central da capital paulista.

O juiz Rogério Aguiar Munhoz Soares, da 15ª Vara Cível, reconheceu que já existe a ação de desapropriação por interesse social, por parte da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (Cohab), que poderá destinar o imóvel ao programa habitacional do município. O decreto municipal foi publicado em agosto de 2013. “A reivindicação de desapropriação daquele imóvel é muito antiga, e nós entramos com ação expropriatória”, disse o prefeito Fernando Haddad.

Apesar de ter iniciado a desapropriação há 2 anos, a prefeitura não concluiu o pagamento do imóvel. Por isso, enquanto o prédio não é definitivamente desapropriado, o proprietário poderá continuar solicitando a reintegração de posse à Justiça.

Juliana Avanci, advogada das famílias pelo Centro Gaspar Garcia de Direitos Humanos, ONG que mantém convênio com a Defensoria Pública, considerou positiva a atitude do magistrado. “Nós fomos conversar com o juiz, falamos que a reintegração estava prestes a acontecer. Tomando conhecimento verbal da situação, ele imediatamente mandou suspender. Isso é muito raro dentro do judiciário. Eu acho que isso é uma atitude muito importante para o judiciário”, disse à Agência Brasil.

Construído na década de 60, para abrigar uma tecelagem, o edifício foi abandonado no início dos anos 80. A primeira ocupação ocorreu em 2002, mas cinco anos depois os moradores foram removidos. Movimentos de moradia, no entanto, têm dúvidas sobre a permanência das mesmas famílias que ocupam hoje o edifício, no caso da transformação do imóvel em moradia social, já que a Cohab pretenderia seguir a lógica do cadastro habitacional.

Ivaneti de Araújo, líder da ocupação, explica que, no caso de permanência desses mesmos ocupantes, uma parte deles teria de deixar suas casas, uma vez que o projeto de reforma do imóvel atende o máximo de 300 famílias. “O excedente seria inserido na lista habitacional”, disse. A assessoria de imprensa da secretaria de Habitação informou que vai priorizar o sistema com 160 mil cadastrados, que contempla primeiro as pessoas em maior situação de vulnerabilidade social.

Segundo a secretaria, existe 90% de chance de o imóvel da ocupação Prestes Maia ser convertido em habitação popular, uma vez a prefeitura pode ter interesse também em transformá-lo em outro tipo de equipamento público.

Audiência

Uma audiência de conciliação foi marcada pela Justiça para o dia 16, com o secretário municipal da Habilitação Floriano de Azevedo Marques Neto, a Cohab e o proprietário da Companhia Nacional de Tecidos, Jorge Nacle Hamuche. A reunião é para estabelecer um prazo para que a prefeitura conclua a desapropriação, e ofereça atendimento às famílias.

No encontro, deve ser negociado o valor a ser pago pelo imóvel, estipulado em R$ 21 milhões pela prefeitura, sendo que R$ 13 milhões já estão depositados em juízo. O proprietário, por sua vez, quer receber uma quantia maior pelo imóvel. “O prédio está avaliado em R$ 27 milhões, isso me gera um prejuízo de R$ 5 milhões”, disse o empresário à Agência Brasil.

A advogada Juliana explica que a divergência de valores pode resultar em mais demora ao processo. “O custo da desapropriação foi feito com base em um laudo técnico, mas é possível que o proprietário entre com mandado de segurança para questionar esse valor”, disse.

Demolição

De acordo com Ivanete, a Cohab avalia fazer a demolição do prédio, por causa das condições precárias. A líder da ocupação teme que demolir o prédio, para reconstruí-lo e, então, destiná-lo à moradia popular, atrasaria ainda mais o atendimento às famílias.

“Nós mostramos um laudo que a própria Cohab fez de que não precisava da demolição, mas agora a Cohab está dizendo que precisa demolir. A estrutura do prédio é muito forte, seria só preciso inserir um reforço”, disse ela.

Embora não exista estudo técnico para demolição, de acordo com a advogada das famílias, a possibilidade de demolição preocupa. “Seria uma derrota para o movimento que está lá há tantos anos reivindicando o prédio para moradia. Hoje, a briga é pela reforma. Se for demolido, vai virar outra coisa, com certeza não vai virar habitação de interesse social”. A secretaria da Habitação informou que desconhece se a possível demolição chegou a se levantada.

Para Ivanete, as obras de projetos habitacionais, sobretudo no centro, estão paradas em São Paulo. Segundo o prefeito Fernando Haddad, os movimento de moradia devem estar cientes de que a crise atual poderá afetar o cronograma de entrega das unidades. A meta da prefeitura de São Paulo é construir 55 mil casas até 2016, mas só foram entregues até setembro cerca de 8 mil unidades. Há ainda 20 mil moradias em construção, 19 mil a iniciar e mais de 120 mil em fase de projeto.

“Nós estamos com produção alta, com 28 mil unidades prontas ou em produção, não é pouca coisa que já foi feita. Temos toda a condição de iniciar as obras e superar a meta de 55 mil, assim que tivermos uma definição do Minha Casa, Minha Vida 3”, declarou o prefeito.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 20 de Maio de 2018
Sábado, 19 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)