Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

23/04/2009 07:26

Receitas escritas à mão contêm três vezes mais erros

Agência Notisa

Estudo mineiro avaliou erros de prescrição de medicamentos perigosos e alerta para a omissão de informação, presente em 86,5% das receitas com ao menos uma falha.

Após avaliar 4.026 receitas médicas de 456 pacientes com medicamentos potencialmente perigosos, pesquisa mineira identificou que 44,5% deste tipo de prescrição apresentava algum tipo de erro e concluiu que a padronização no processo de prescrição e a eliminação daquelas feitas à mão podem reduzir o número de erros. Segundo o artigo científico, disponibilizado on-line na Revista de Saúde Pública e que ainda aguarda publicação, o percentual de erros pode, eventualmente, ser ainda mais alto, pois não foi possível considerar a condição clínica do paciente e discutir os casos com o médico responsável pelas receitas.



Conduzida por Mário Borges Rosa e colegas da Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Pontifícia Universidade Católica (PUC-MG), a pesquisa analisou as prescrições quanto a: legibilidade, nome do paciente, tipo de prescrição, data, caligrafia ou grafia, identificação de quem a prescreveu, análise do medicamento e uso de abreviaturas.



O estudo observou que um dos erros mais perigosos encontrados foi o uso intensivo e sem padronização de abreviaturas nas prescrições, esta última com uma média superior a 30 ocorrências por receita médica. Os pesquisadores ressaltam que “já é antiga a ideia” de eliminar o uso de abreviaturas, citando como exemplo o caso de um paciente canadense que teve lesão grave permanente: “ele recebeu 70 unidades de insulina em vez das sete prescritas, porque a abreviatura ‘U’ foi confundida com o número zero”. Se não for possível escrever por extenso em toda a receita, os pesquisadores recomendam, ao menos, alguma padronização.



Metade das prescrições estudadas estavam escritas à mão. De acordo com os pesquisadores, erros de prescrição podem ser reduzidos com a utilização de editores de textos para a indicação do medicamento, evitando o manuscrito. Outros medicamentos potencialmente perigosos que apresentaram alto índice de erros de prescrição foram o fentanil (analgésico narcótico), com 22,1%, e o midazolam (indutor do sono), com 11,4%. Além disso, eles identificaram que a heparina (anticoagulante) foi a droga com maior número de erros – 33,7% das receitas avaliadas continham ao menos um problema – e que a média de erros por cada uma das 4.026 receitas estudadas é de 3,3, predominando a omissão de informação (86,5%).



“A heparina e o midazolam foram responsáveis pela maioria dos erros relacionados à concentração. Verificou-se tendência à omissão da forma farmacêutica quando a heparina e o fentanil eram prescritos, pois, juntos, originaram a quase totalidade dos registros (de erros de omissão da forma farmacêutica)”, detalham.



Os autores destacam no artigo que, em 1999, um estudo norte-americano (To err is human: building a safer system) estimou que cerca de 98 mil morrem anualmente, nos EUA, em consequência de erros associados à assistência à saúde. Na opinião de Borges Rosa e colegas, muitos paradigmas são confrontados na discussão de erros em instituições de saúde. “Os profissionais de saúde normalmente associam falhas nas suas atividades à vergonha, perda de prestígio e medo de punições. De modo geral, o ambiente nas instituições de saúde não é propício para uma discussão franca sobre o assunto”, consideram.




Agência Notisa (science journalism – jornalismo científico)


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)