Cassilândia, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

12/01/2007 18:25

Recado do Cheida - Qual é o limite?

*Luis Eduardo Cheida

Muitos de nós acredita que a natureza é infinita e de recursos inesgotáveis.

Além disso, à margem de qualquer evidência científica, a sociedade fundamenta seus valores na crença de que, ante a iminência de qualquer desastre ambiental de grandes proporções, a ciência vem, prontamente, em socorro.

E, tudo se acalma. Tudo se aplaca. Tudo se ajeita.

Paira no ar, e no coração das pessoas, sem nenhum fundamento, mas paira, a certeza de que uma tríade infalível, associando bom-senso, amor ao próximo e avanço tecnológico, cuida de tudo.

Este é o senso comum.

Afinal, que doidivanas admitiria a mínima perda de solos para dentro dos rios, sabendo que solos perdidos perdem-se para sempre?

Que louco manejaria um machado (moto-serra ou correntão) estando certo de que floresta cortada e destocada, jamais volta a ser o que foi?

Que desmiolado assentiria com a pesca predatória nos oceanos, tendo confirmado que pesca rapina ameaça, de verdade, seus estoques milenares?

Que insensato estimularia o consumo à exaustão, após certificar-se que tudo o que se vende, compra, veste e come, provém da natureza finita e esgotável?

Que lunático defenderia um modelo globalizado onde os 20% mais ricos consomem 80% da matéria e energia do planeta?

Alguém, em sã consciência, admitiria que comprovadas conseqüências continuassem seu curso macabro, sem serem interrompidas?

Isso não faria sentido!

As pessoas de mais influência deixariam o mundo acabar, sabendo que poderiam acabar junto com ele?

Até aqui, parece que sim.

A moderna civilização, com seu sistema de crenças no progresso sem limites, acelerou a tal ponto o tempo histórico da humanidade que acabou por dissociá-lo do tempo biológico que a espécie tem de forma inata. Esta dissociação é o epicentro de um terremoto de gigantescas proporções que está fazendo tremer as bases biológicas de nossa própria evolução.

Hoje, temos um modelo de desenvolvimento que tenta universalizar um estilo de vida. Mas, ao tentar fazê-lo, coloca em risco todo o planeta. Pior: distribui de forma desigual benefícios e prejuízos.

O pensamento reinante submete a humanidade à mesma lógica mercantil. Por ser mercantil, é competitiva. Por ser competitiva é excludente. Por ser excludente, não é solidária.

Qualquer humano, de mediana inteligência, sabe que, em um mundo finito, há um limite para o esgotamento dos recursos naturais.

Por isso, deve haver um limite também para este modelo.

Enquanto esse limite não for encontrado, a sociedade continua a correr riscos. Grande parte deles são devidos à própria intervenção da sociedade no planeta.

Mais do que nunca, é preciso definir os limites de crescimento (se é que crescer, destruindo, significa mesmo crescer).

Neste caso, por mais irônica que seja, nada mais atual que a pergunta de Mahatma Ghandi, feita há mais de meio século:

Para desenvolver a Inglaterra, foi necessário o planeta inteiro. O que seria necessário para desenvolver a Índia?

Um forte abraço e até sexta que vem (que ainda vai ter sexta-feira que vem).

*Luiz Eduardo Cheida é médico e deputado estadual eleito no Paraná. Foi Prefeito de Londrina (1992 – 1996), Secretário de Meio Ambiente do Paraná e Membro titular do CONAMA (2003 – 2006).

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)