Cassilândia, Segunda-feira, 28 de Maio de 2018

Últimas Notícias

24/06/2004 10:18

Raspar a cabeça em cirurgias pode não ser necessário

Agência Notisa

Mobilizados pelo baixo sentimento de auto-estima que determinados pacientes apresentam quando submetidos à tricotomia (raspagem do cabelo) do couro cabeludo no pré-operatório neurocirúrgico, pesquisadores dos hospitais Angelina Caron e Infantil Pequeno Príncipe, no Paraná, e Regional Vale do Ribeira, de São Paulo, avaliaram 640 casos de neurocirurgia em que a equipe cirúrgica optou pela adoção da não tricotomia tradicional. Das sete infecções pós-operatórias encontradas, três foram em crianças com menos de nove anos e dos adultos — com idade entre 15 e 47 anos —, um tinha sofrido ferida aberta por duas horas antes da admissão no hospital com diagnóstico de hematoma subdural (sangue sob a "capa" que envolve o cérebro). A taxa de infecção encontrada, sem distinção de sexo é igual a de outras pesquisas científicas, sendo que o estudo investigou também os casos do Hospital Universitário Cajuru.

De acordo com artigo publicado nos Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 54 casos que não pudereram ser avaliados por mais de 30 dias após terem feito a cirurgia foram excluídos da análise. Do total dos 640 validados, então, 253 pacientes, vítimas de cirurgia de emergência, não haviam sido, obviamente, feito lavagem da cabeça no dia anterior à cirurgia. Com relação aos 387 pacientes eletivos (cirurgia sem ser de emergência) checados, Dvilevicius e colegas afirmam no texto que “na véspera da cirurgia, os pacientes foram submetidos à lavagem adequada do cabelo usando ‘shampoo’ (quando possível com princípio ativo à base de clorhexidine) ou sabonetes normais”. E todos os pacientes “na sala de cirurgia, após a indução anestésica e administração de antibiótico profilático (cefalotina 100 mg/kg/dia dividido de 6/6 h em pacientes abaixo de 30 kg e 1g endovenoso naqueles com peso acima de 30 kg, de 6/6 h), foram submetidos à vigorosa lavagem de todo o couro cabeludo com solução de PVP-I degermante por mais ou menos 10 minutos, sendo feito então enxágüe com água”.

Em meio aos vários procedimentos utilizados para evitar rigorosamente o contato dos fios de cabelo com o campo cirúrgico até o fechamento da ferida, as cirurgias analisadas retrospectivamente pelos médicos foram homogeneamente encerradas sendo que — dizem no texto — “no fechamento da pele, necessita-se da presença do auxiliar que pressionará as bordas da ferida, afastando com auxilio de instrumentos os fios de cabelo e assim facilitando a realização da sutura da pele, seja ela com pontos separados ou continua. Após a sutura da pele, vigorosa lavagem de toda a cabeça com água oxigenada (10 volumes) e soro fisiológico é feita para remoção de possíveis fragmentos de osso e sangue. Segue-se então a realização do curativo e enfaixamento da cabeça”.

Os resultados também não mostram diferenças com relação às idades dos pacientes que variaram entre 1 mês e 76 anos, mas nos casos de infecção nas crianças, elas haviam sido submetidas à derivação ventricular externa com infecção prévia e/ou disfunção de derivação interna. Entre os adultos, predominou a infecção da ferida cirúrgica no traumatismo crânio-encefálico (TCE), provavelmente devido à contaminação do paciente emergencial. De qualquer forma, para estes neuro-cirurgiões, os resultados são alentadores no sentido de se poder pensar em optar por um procedimento que minimize o sofrimento do paciente. Salientando que a tricotomia não é uma prática que impeça ou mesmo contribua para minimizar a infecção pós operatória, eles avisam que desejam “ num futuro próximo realizar um estudo mais amplo, randomizado, duplo-cego, com grupo controle com pacientes com tricotomia (realizada com máquina de tosquiar), ainda inédito na literatura, obtendo-se mais dados na comparação das duas técnicas” e complementam: “julgamos que não há necessidade imperativa para a realização da tricotomia nos procedimentos cranianos neurocirúrgicos, pois não mostraram em nossa análise, motivos teóricos ou práticos suficientes que justificassem sua feitura”.



Agência Notisa (jornalismo científico - scientific journalism)



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 28 de Maio de 2018
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)