Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

Últimas Notícias

14/12/2005 07:00

Queixa-crime contra Kajuru vai para a Justiça Comum

STF

Em decisão unânime, a Primeira Turma do Supremo declarou a incompetência do 4º Juizado Especial Criminal para processar e julgar queixa-crime oferecida contra Jorge Reis da Costa, conhecido como Jorge Kajuru, e outros dois jornalistas, todos denunciados por difamação. A queixa foi enviada à 12ª Vara Criminal de Goiânia.

De acordo com o HC 86843, o grupo Jaime Câmara, que inclui o Jornal O Popular e a Rádio Araguaia, imputou a prática do crime de difamação (artigo 21 da Lei de Imprensa) a Kajuru e outros dois có-réus. A denúncia foi recebida pela 12ª Vara Criminal de Goiânia que encaminhou a queixa ao Juizado Especial Federal por entender não ser competente para julgar a questão.

Para a defesa, “é descabida a competência do Juizado Especial Criminal para processar e julgar o feito”. Os advogados alegavam que em situações de concurso formal impróprio, como ocorre no caso, a pena máxima cominada para o crime de difamação passaria de 18 meses para 36 meses, “estourando a baliza para fixação da competência do feito ao juizado criminal”.

No voto, o relator, ministro Sepúlveda Pertence, ressaltou que a Primeira Turma já decidiu que cabe recurso ordinário das decisões, de turma recursal, denegatórias de habeas corpus. Conforme o ministro, o pedido limitou-se a afirmar que a competência seria da 12ª Vara Criminal de Goiânia e não atacou os fundamentos pelos quais a turma recursal não conheceu da impetração lá requerida. “Cabendo conflito de jurisdição ou exceção de incompetência não cabe habeas”, disse Pertence.

Entretanto, ele recordou que a Turma, em julgamento recente (HC 86102), entendeu não ser de competência dos juizados especiais a apreciação dos crimes de imprensa. Para o relator desse caso, ministro Eros Grau, mesmo que a pena prevista se enquadre no limite de dois anos previsto pela Lei dos Juizados Especiais (Lei 9.099/95), os crimes de imprensa têm natureza especial e devem ser julgados pela Justiça Comum.

Assim, a Primeira Turma concedeu de ofício a ordem no HC 86843 para anular o processo a partir do recebimento da denúncia e determinar a remessa dos autos ao juízo competente, que é a 12ª Vara Criminal de Goiânia.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 23 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)