Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/11/2005 07:08

Quatro deputados declaram voto pela cassação deQueiroz

Agência Câmara

Quatro deputados, além do relator, declararam seus votos favoráveis à cassação do deputado Romeu Queiroz (PTB-MG) durante a reunião desta terça-feira do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. O conselho iniciou a discussão do relatório do deputado Josias Quintal (PSB-RJ), que pede a cassação de Queiroz por quebra de decoro parlamentar, mas não chegou a votá-lo. A reunião teve que ser encerrada devido às votações em plenário. A discussão e votação do relatório prosseguem nesta quarta-feira, a partir das 14 horas, no plenário 11.
Romeu Queiroz é acusado de ter recebido R$ 452,8 mil da SMPB, empresa de publicidade de Marcos Valério Fernandes de Souza, suposto operador do "mensalão", esquema no qual o Partido dos Trabalhadores repassaria dinheiro aos deputados da base aliada para que votassem favoravelmente aos interesses do governo.
O deputado, no entanto, disse em sua defesa que não merece nenhum tipo de punição porque "não pegou, não transportou nem ficou com nenhum dinheiro".
Todos os deputados que se manifestaram durante a discussão disseram estar convictos de que o deputado, que é presidente do PTB em Minas Gerais, repassou o dinheiro integralmente aos integrantes do partido no estado para pagar custos com campanhas eleitorais e outras dívidas do partido.

Discordância do relatório
Apesar de declarar voto favorável à cassação de Queiroz, o deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) não concordou com o texto do relator, pois, para ele, só é válida a acusação que consta da representação inicial, apresentada ao conselho pelo Partido Liberal, na qual Queiroz é acusado apenas pelo recebimento de R$ 350 mil.
Sampaio discordou da fundamentação do deputado Josias Quintal por não considerar válida uma nova acusação — a de que Queiroz tenha recebido mais R$ 102,8 mil da SMPB, supostamente uma doação da Usiminas. Segundo Sampaio, como essa nova denúncia só apareceu no decorrer do processo, Queiroz não teve tempo hábil para apresentar a defesa por meio de seu advogado.
A preocupação do deputado do PSDB é jurídica e busca evitar falhas que poderiam levar à apresentação de recursos pelo deputado acusado, pedindo a anulação do processo.
Carlos Sampaio observou, no entanto, que Queiroz é culpado por ter intermediado R$ 350 mil sem registrar essa suposta doação à Justiça Eleitoral, como determina a lei. "Ao não questionar a origem do dinheiro, o deputado foi no mínimo conivente com a infração", afirmou.
Os deputados Chico Alencar (Psol-RJ) e Orlando Fantazzini (PSol-SP) concordam com esse argumento. Eles também votarão pela cassação porque ficou claro que Queiroz não contabilizou legalmente os R$ 350 mil.

Penas mais brandas
O deputado Pedro Canedo (PP-GO) afirmou que vota pela suspensão do mandato de Queiroz por 30 dias por considerar que a pena de perda de mandato é muito severa. Para Canedo, o voto do relator, pela cassação, é uma punição desproporcional ao delito cometido por Romeu Queiroz. "O deputado cometeu um pecado venial (menor) e não me sinto à vontade de votar pela pena máxima", declarou Canedo.
O deputado Nelson Marquezelli (PTB-SP) também sugere a revisão da pena proposta pelo relator, de cassação para censura verbal. Em sua opinião, o relator banalizou ao pedir a perda de mandato, "porque é desproporcional".
A sugestão de voto de Marquezelli não vale no resultado final da votação, pois ele é suplente do presidente do conselho, deputado Ricardo Izar (PTB-SP), e seu voto só valeria caso o presidente estivesse ausente e a votação desse empate.

Acusações
Quintal, em seu relatório, apontou como indícios de irregularidades na conduta de Queiroz:
- a realização de saques sem registros;
- a transferência de quantias sem prestação de contas ou comprovação da origem;
- a intermediação da SMPB, empresa considerada pelo relator "comprovadamente envolvida no escândalo do mensalão"; e
- o testemunho de Marcos Valério de que os recursos sacados pelo PTB não seriam doações da Usiminas, conforme declaração de Queiroz.


Reportagem - Newton Araújo Jr.
Edição – Patricia Roedel

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)