Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

18/09/2015 09:00

Quando a depressão pós-parto acontece no homem

Cuidado Materno

Embora não exista o diagnóstico de depressão pós-parto masculina, vejo sim em muitos casos isso acontecer nos homens no período que sucede o nascimento do bebê. Por isso precisamos prestar atenção também nos papais, pois eles também são muito importantes para a saúde psíquica dos bebês.

O nascimento de um bebê é sinônimo de alegria para muitos. No entanto, para alguns, a chegada de um novo ser pode significar tristeza, angústia e ansiedade.

Hoje muito se fala em depressão pós-parto, doença que atinge de 10 a 20% das mulheres. Mudanças hormonais, estresse, medo, preocupação e mudanças no ambiente, além de fatores socioeconômicos, podem estar relacionados à sua causa, que certamente não é única.

Na nossa sociedade, qualquer tristeza, sofrimento ou angústia corre o risco de ser caracterizado pelo senso comum como depressão. Mas esse nem sempre é o caso, pois o diagnóstico de depressão depende de uma série de avaliações, senão corremos o risco de “psicologizar” qualquer problema.

A tristeza materna, também conhecida como “Baby Blues”, é muito comum e atinge grande parte das mulheres que acabaram de dar à luz. Seus sintomas são semelhantes aos da depressão, porém menos graves e de intensidade menor, não impedindo a mulher de realizar as tarefas rotineiras. Sentimentos de tristeza, angústia, irritabilidade e aumento de sensibilidade, manifestam-se com facilidade, porém, devem desaparecer espontaneamente.

A chegada de um bebê modifica a rotina familiar e, por mais que o ambiente esteja preparado para recebê-lo, nem sempre essa transição é fácil.

O período pós-parto não atinge somente as mães. Em algumas famílias, é o homem quem sofre com a chegada do bebê. A dependência absoluta do bebê pode mobilizar muitas questões. Esse período é passageiro, mas pode assustar.

A gravidez, assim como o puerpério, constitui um período no qual há uma intensidade de experiências que podem interferir no psiquismo das pessoas. Em geral, é a mulher quem está mais propensa a vivê-las, devido ao seu estado natural de preparo e envolvimento com o bebê, desde a gestação. Entretanto, o homem, que também participa desse meio, não está livre de viver tais experiências. A estrutura psíquica varia de pessoa para pessoa e pode ser mais ou menos estruturada. Algumas situações, podem desencadear sintomas e doenças. O nascimento do bebê é um desses momentos, pois cada integrante do círculo familiar inevitavelmente vai entrar em contato com seu lado filho e utilizá-lo, agora no papel de pai ou mãe que desempenhará. Nem sempre tais questões são conscientes, porém, é preciso cuidar delas.

Ocupar o lugar de pai, bem como assumir a responsabilidade que esse papel requer, pode não ser fácil. É possível que ele se sinta incapaz ou se exija demais, por exemplo, impondo a si próprio um nível de exigências acima do que consegue cumprir. A preocupação com a estabilidade financeira da família ou a mudança da rotina que tinha com a companheira antes do bebê nascer, também podem contribuir para desencadear angústias.

O diagnóstico de depressão depende de vários sintomas, que devem perdurar no mínimo, quinze dias para confirmá-la. Confundir ansiedade, angústia, medo, e dificuldades diversas com depressão, é muito fácil, devido ao excesso de informações hoje disponíveis sobre o assunto. É prudente fazer uma avaliação com um profissional da área, a fim de esclarecer o que de fato está acontecendo.

A depressão masculina pode desestabilizar o ambiente familiar. O pai precisa estar bem para proporcionar tranquilidade e segurança à mãe, que também deve estar tranquila para atender com serenidade e confiança às necessidades do bebê, que são fundamentais para seu desenvolvimento. O núcleo familiar representa o alicerce para a saúde psíquica do bebê, que necessita de um ambiente tranquilo e saudável para se desenvolver.

A psicoterapia pode ser uma grande aliada nesse momento, pois permite não só o tratamento dos sintomas, mas também a descoberta do papel de cada um nessa nova família que, com a chegada do bebê, precisará ser reconfigurada, a fim de reencontrar seu equilíbrio.

Por Cynthia Boscovich

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)