Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

05/06/2004 14:39

Qualidade da água dos rios de MS é boa, aponta estudo

Maristela Brunetto / Campo Grande News

Notícia positiva na comemoração do Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho: a qualidade da água dos rios de Mato Grosso do Sul é boa, com apenas alguns problemas localizados. Além da qualidade, há quantidade. É a situação ideal para se despertar a consciência para a preservação, afirma o coordenador de laboratórios do Imap (Instituto de Meio Ambiente/Pantanal), Luiz Mário Ferreira.
Segundo ele, é arriscado deixar para se preocupar quando surgirem problemas com a qualidade. Ele cita como exemplo a cidade de São Paulo, que precisa captar água a 200 quilômetros de distância para tratá-la e servir à população. “A responsabilidade e o compromisso são de todos”, disse.
Ferreira coordena o grupo que faz monitoramento permanente dos rios que compõem as duas principais bacias do Estado: a do Alto Paraguai (BAP) e a do Paraná. O levantamento mais recente, referente aos estudos feitos em 2002 naquela bacia, nem foi publicado. O Campo Grande News teve acesso aos dados.
Na Bacia do Alto Paraguai, que inclui rios desde o Taquari, na divisa com Goiás, até o outro extremo, na região de divisa com o Paraguai, em Antônio João, 44% das águas estão em ótimas condições; 14% boas; em 11% dos pontos de análise a qualidade é aceitável; 20% ruim e 11% péssimo.
Nestes trechos de avaliação com pior desempenho, segundo o pesquisador, a poluição foi provocada pela própria natureza, que com enchente trouxe vegetação para o leito. A decomposição prejudicou o oxigênio, fator de avaliação da qualidade. É o caso do rio Apa, em Bela Vista, e o Paraguai. Os 20% ruins foram identificados no Pantanal e em áreas urbanas.
Na BAP, a preocupação é com a bacia do rio Miranda. Ela inclui rios de áreas urbanas, como Aquidauana. Nela é constatada a poluição provocada por atividade industrial (destilarias, frigoríficos e laticínios) e irrigação. O esgoto doméstico é outro agravante.
Conforme Ferreira, a bacia do Paraná também merece atenção especial, pelo fato dos rios estarem em regiões com maior concentração urbana. No caso da BAP, são 188 mil quilômetros quadrados de área. Quando o monitoramento começou, em 1992, foram identificadas 343 atividades com potencial poluidor.
Já na Bacia do Paraná, em 1999, quando foi iniciado o estudo, foram encontradas 601 atividades com potencial poluidor em uma área de 45 mil quilômetros quadrados, na região do Ivinhema.

Sábado, 5 de junho, é Dia Mundial do Meio Ambiente

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)