Cassilândia, Quinta-feira, 23 de Março de 2017

Últimas Notícias

20/07/2004 14:35

Proposta define crimes contra a saúde humana

Agência Câmara

A Comissão de Seguridade Social e Família está analisando o Projeto de Lei 3689/04, do deputado Carlos Nader (PFL-RJ), que define os crimes contra a saúde humana, que não estão previstos no Código Penal.
Nader explica que o projeto estabelece penas rigorosas para condutas freqüentes no Brasil, que prejudicam gravemente a saúde humana sem que os culpados sofram penalidades significativas. "Vender medicamentos de ‘tarja vermelha’ e de ‘tarja preta’ sem exigir a receita médica é conduta criminosa, pois há um grande número de usuários que se tornam dependentes dessas ‘drogas lícitas’ e não encontram maiores dificuldades para adquirir esses produtos nas farmácias", exemplifica o parlamentar.
Nader considera que outra conduta que tem vitimado número significativo de pacientes é a prática de operações cirúrgicas, que exijam a aplicação ou transfusão de sangue, sem que seja realizado o teste de HIV. “Os hemofílicos, além de pacientes com outros tipos de problema, têm sido contaminados por descuido dos responsáveis pela aplicação do sangue”.

Pelo projeto, são considerados crimes contra a saúde humana:

- cometer o exercício de encargos relacionados com a saúde humana a pessoa sem a necessária habilitação legal.

- construir, instalar ou fazer funcionar laboratórios de produção ou processamento de medicamentos, drogas e insumos, cosméticos, produtos de higiene, dietéticos, correlatos, ou quaisquer outros estabelecimentos que fabriquem alimentos, aditivos para alimentos, bebidas, embalagens, saneantes e demais produtos que interessem à saúde humana, sem registro, licença ou autorização do órgão sanitário competente.

- fornecer, vender, facilitar a venda ou praticar atos de comércio em relação a medicamentos, drogas e correlatos cuja venda e uso dependam de prescrição médica, sem observância dessa exigência e contrariando as normas legais e regulamentares.

- retirar ou aplicar sangue, proceder a operações de plasmaferese, ou desenvolver outras atividades hemoterápicas, contrariando normas legais e regulamentares ou sem fazer exame de HIV, e outras doenças incuráveis, no sangue usado nesses procedimentos.

- exportar sangue e seus derivados, placentas, órgãos, glândulas ou hormônios, e quaisquer substâncias ou partes do corpo humano, ou utilizáveis, contrariando as disposições legais e regulamentares.

- utilizar, na preparação de hormônios ou outros produtos para o consumo humano, órgãos de animais doentes ou que apresentem sinais de decomposição no momento de serem manipulados.

- exercer profissões e ocupações relacionadas com a saúde humana sem a necessária habilitação legal.

- fraudar, falsificar ou adulterar alimentos, bebidas alcoólicas e não-alcoólicas, medicamentos, drogas, insumos farmacêuticos, correIatos, cosméticos, produtos de higiene, dietéticos, saneamentos ou quaisquer outros que interessem à saúde humana.

- possuir ou deter a qualquer título, com intenção de venda a terceiros, sem registro, autorização ou licença de autoridade sanitária competente, medicamentos ou droga psicotrópica ou qualquer outra que possam causar dependência física ou psíquica ao usuário.

Penalidades
Os crimes contra a saúde humana serão punidos alternativa ou cumulativamente, com as penalidades de:
- multa;
- apreensão e inutilização do produto;
- cassação da habilitação profissional;
- cancelamento do alvará de licenciamento do estabelecimento;
- cancelamento do alvará de licenciamento de empresa;
- privação da liberdade

O valor das multas impostas pode variar de R$ 10 mil a R$ 100 mil sem prejuízo das sanções de natureza civil e de outras penalidades cabíveis. A pena será aumentada em dobro se o adquirente for criança ou adolescente e no caso de reincidência.
O projeto inova também em dois aspectos necessários para facilitar a apuração dos crimes nele definidos: a decretação, pelo Juiz competente, da prisão preventiva do indiciado, a requerimento do Ministério Público; e a faculdade, dada ao Juiz, de reduzir a pena ou conceder imunidade penal aos co-réus que colaborarem na elucidação do crime. "Essa medida deverá comprovar sua eficácia no Brasil, tal como ocorre em outros países", acredita Carlos Nader.

Trâmite
Para analisar o projeto na Comissão de Seguridade Social, o deputado Amauri Gasques (PL-SP) foi nomeado relator. A proposição também será analisada pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e, depois, pelo Plenário.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 23 de Março de 2017
Quarta, 22 de Março de 2017
21:53
Cassilândia
20:41
Loteria
Terça, 21 de Março de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)