Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

27/07/2004 15:42

Proposta dedução no IR a empresa que incentivar estudo

Agência Câmara

A Comissão de Educação e Cultura vai analisar, no retorno dos trabalhos parlamentares, o Projeto de Lei 3662/04, que concede incentivo fiscal às empresas que criarem programas de custeio do ensino fundamental, médio e superior para seus funcionários e dependentes.
Pelo projeto, de autoria do deputado Luiz Carlos Santos (PFL-SP), a pessoa jurídica contribuinte do Imposto de Renda poderá deduzir do imposto devido os valores destinados aos programas de custeio de ensino previamente aprovados pelo Ministério da Educação.
A dedução, de acordo com o autor, não poderá exceder em cada exercício financeiro, isoladamente, a 2% do imposto devido pela pessoa jurídica e, cumulativamente com o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) e com o Programa de Desenvolvimento Tecnológico Industrial (PDTI), a 4%.
A proposição ainda estabelece que as despesas não deduzidas no exercício financeiro correspondente poderão ser transferidas para dedução nos dois exercícios financeiros subseqüentes.

Desenvolvimento
Luiz Carlos Santos lembra que a educação - direito de todos e dever do Estado - tem de ser promovida e incentivada com a colaboração de toda a sociedade. "É justo, portanto, que o Estado conceda benefício fiscal às pessoas jurídicas empenhadas em fomentar o estudo de seus funcionários e respectivos dependentes", avalia.
A proposição busca atender às disposições da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) com o estabelecimento de um percentual máximo de dedução, tanto individual quanto cumulativo com outros benefícios fiscais. O deputado explica que esse percentual máximo cumulativo de dedução é igual ou inferior ao já existente: é inferior quando se consideram o PAT e o PDTI aprovado até 1993 (8%), e é igual para o PAT e o PDTI aprovado após 93 (4%). Desse modo, observa o autor, o limite global de dedução não traria repercussões orçamentárias e financeiras não previstas no orçamento. "O percentual máximo de dedução passaria a englobar não apenas o PAT e o PDTI, como ocorre atualmente, mas também envolveria o novo benefício fiscal, o que implicaria apenas uma realocação dos incentivos fiscais sem extrapolar os limites globais de dedução já existentes", conclui o parlamentar.

Tramitação
Na Comissão de Educação e Cultura, foi designado como relator o deputado Antônio Carlos Biffi (PT-MS). A proposição, que tramita em caráter conclusivo, ainda será examinada pelas comissões de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.



Da Redação / SR

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)