Cassilândia, Segunda-feira, 27 de Fevereiro de 2017

Últimas Notícias

16/07/2004 16:00

Proposta altera Estatuto do Desarmamento

Agência Câmara

A Câmara estuda uma proposta que altera o Estatuto do Desarmamento (lei 10826/03) aprovado no final do ano passado pela Casa. O deputado Carlos Rodrigues (PL-RJ) é o autor do Projeto de Lei 3672/04, que acrescenta no texto do Estatuto a expressão "municiada ou não" após a palavra "arma". A intenção, segundo o parlamentar, é corrigir um erro cometido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que, em julgamento, decidiu que a pessoa portadora de arma de fogo, sem munição, não comete crime de porte ilegal de arma. "Tal decisão é incorreta e pode levar ao cometimento de vários crimes, mesmo que não seja consumado", analisa Rodrigues.

Autorização do porte
De acordo com o Estatuto do Desarmamento, só poderão portar arma de fogo:
- os integrantes das Forças Armadas e dos órgãos de segurança pública;
- os agentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e os do Departamento de Segurança do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República;
- os integrantes da polícia legislativa da Câmara e do Senado;
- os agentes e guardas prisionais, os integrantes das escoltas de presos e as guardas portuárias;
- as empresas de segurança privada e de transporte de valores;
- os integrantes das entidades de desporto cujas atividades esportivas demandem o uso de armas de fogo;
- os guardas municipais de cidades com mais de 500 mil habitantes e, no caso de municípios com população entre 500 mil e 50 mil habitantes será permitido que os integrantes das guardas municipais portem armas quando estiverem em serviço.

Ressarcimento
Desde ontem, a Polícia Federal está recebendo armas ilegais ou não registradas. Quem entregá-la, nos próximos 180 dias, não sofrerá qualquer tipo de punição e será ressarcido, com uma indenização que varia de R$ 100 a R$ 300. As armas devolvidas serão destruídas.
O Estatuto do Desarmamento classifica o porte ilegal de arma como crime inafiançável.

Andamento
A proposição está sob relatoria do deputado João Campos (PSDB-GO) na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado. Em seguida, será encaminhada à Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania e ao plenário da Câmara.



Reportagem - Natalia Doederlein
Edição - Regina Céli Assumpção

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 27 de Fevereiro de 2017
Domingo, 26 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 25 de Fevereiro de 2017
10:00
Receita do dia
07:30
Loterias
Sexta, 24 de Fevereiro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)